Fogo: São Filipe é o primeiro município a ter uma piscina municipal e deve funcionar como desafio aos outros municípios, diz Avelino Lopes

O presidente da Federação Cabo-verdiana de Natação, Avelino Lopes, defendeu hoje, em São Filipe, que este município é o primeiro a dispor de uma piscina municipal e deve servir de desafio aos outros municípios.

“As outras câmaras municipais, sobretudo os ditos grandes municípios, onde há mais possibilidades de financiamento e mais oportunidades de viabilizar uma piscina municipal, estão desafiadas, por um município de periferia, a investirem na piscina municipal”, disse o presidente da Federação Cabo-verdiana de Natação, sublinhando que é mais difícil organizar campeonatos numa ilha periférica, sobretudo por razões financeiras, mas, uma vez mais, um município de periferia deu exemplo aos municípios do centro.

“A Câmara Municipal de São Filipe está a lançar um desafio muito grande aos outros municípios cabo-verdianos para criarem e fazerem funcionar infraestruturas de natação porque o que fez está a dar resultado e acredito que é uma área que podemos apostar muito mais do que estamos a fazer até este momento”, disse.

Avelino Lopes considerou que a realização do campeonato nacional de natação, pela primeira vez na ilha do Fogo, foi positiva e destacou que todas as modalidades e estilos previstos para o campeonato foram cumpridos, em termos de “natação pura”.

“Estamos com atletas com níveis bastante elevados, nomeadamente das ilhas que não tem piscina como Maio, Boa Vista e Santo Antão. As provas estão sendo muito renhidas e queria destacar a Brava que tem feito, apesar de todas as dificuldades, um esforço e veio com uma equipa grande e está a fazer uma excelente prova”, disse Avelino Lopes.

Avelino Lopes disse que sempre defendeu de que, em termos dos desportos, para obter classificações e medalhas a nível regional e internacional é fundamental apostar nos desportos individuais onde o País tem mais chances de obter medalhas, pese embora considere que o desporto não pode limitar-se às medalhas, mas há outras motivações para apostar no desenvolvimento do desporto sem ignorar as chances de obter medalhas.

“Somos mais água em Cabo Verde, mais de 200 vezes mais águas do que terra e dos 22 municípios cabo-verdianos apenas dois não tem litoral o que quer dizer que não há comunidade/povoado em Cabo Verde que dista mais de 15 a 20 minutos de um litoral”, disse Avelino Lopes defendendo por isso aposta na formação para ter instrutores e pessoas com conhecimentos para transmitirem e contribuir para ultrapassar a barreira do medo em relação ao mar.

Depois disso, é necessário de forma paulatina, pensar numa certa massificação da natação e ter mais possibilidade e oportunidade de ter campeões e atletas de elite e, consequentemente, almejar ainda mais a nível internacional e regional, referiu.

Inforpress

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest