Qualificação Mundial 2026: Bubista realça “vitória difícil, mas importante” frente à Líbia

Cabo Verde passa a contar com 7 pontos no grupo D de qualificação para o Mundial 2026, juntando-se à Líbia e sendo o grupo liderado agora pelos Camarões.

A seleção nacional de futebol regressou às vitórias e venceu hoje, dia 11, a congénere da Líbia por 1 a 0, com golo de apontado por Edilson ‘Diney’ Borges logo aos 10 minutos da primeira parte. A vitória foi enaltecida pelo selecionador nacional Pedro Leitão Brito, ‘Bubista’, que afirmou ainda que o objetivo de Cabo Verde é chegar ao Mundial.

Em declarações à imprensa após a partida que teve lugar no Estádio Nacional e contou para a quarta jornada do grupo D, o selecionador nacional classificou a vitória como ‘saborosa’ devido à dificuldade do jogo. “Uma vitória difícil, mas importante. Não é à toa que a Líbia estava no primeiro lugar do grupo e esteve um ano sem perder. É uma equipa coesa que joga há muito tempo junta daí que a nossa vitória é saborosa devido à dificuldade do jogo”, afirmou.

A seleção da Líbia estava mais “fresca” no entender do selecionador nacional já que disputou a partida anterior a 6 de junho e Cabo Verde defrontou os Camarões no sábado, dia 8, tendo feito apenas um treino antes da partida de hoje.

Valorizando a vitória do coletivo nacional que “teve bastante coração até ao fim” e demonstrou qualidade, Bubista defendeu que a equipa tinha condições para criar vantagem no marcador mas não conseguiu, tendo a partida ficado com o único golo de Diney.

Quanto à derrota de 4 a 1 frente aos Camarões no sábado, Bubista elogiou os adversários e afirmou que a seleção camaronesa tem equipa para ganhar qualquer seleção em África, principalmente em casa.

“O mais importante é que conseguimos ultrapassar essa derrota. A equipa demonstrou coesão, união e qualidade e vontade principalmente de vencer em casa à frente do nosso povo”.

Bubista reiterou que o objetivo de Cabo Verde é chegar ao Mundial, procurando vencer os adversários e tentando marcar pontos fora de casa. “Acho que a qualificação é difícil para todos, temos de tentar ganhar as equipas em casa”.

O selecionador lembrou que Cabo Verde marcou em quase todos os jogos, estando quatro jogos sem sofrer golos até à partida com os Camarões. Bubista salientou ainda que os Tubarões Azuis deram a volta novamente na partida de hoje não tendo sofrido golos contra a Líbia e tendo criado várias oportunidades de golo. 

“Quase todas as equipas têm medo de quando atacamos por causa da qualidade dos nossos jogadores individualmente, só que às vezes não se consegue finalizar todas as jogadas criadas”, acrescentou e enalteceu também a seleção em termos defensivos.

“Passamos novamente a não sofrer golos o que demonstra coesão, qualidade da equipa e que a equipa tem carácter e pode dar a volta em momentos mais difíceis”.

Ainda recordando o jogo contra os Camarões, o técnico mostrou-se cético quanto ao facto de que a temperatura local terá condicionado a seleção nacional e lembrou que Cabo Verde teve mais posse de bola, mais remates e quase as mesmas oportunidades de golo que a seleção camaronesa que teve o mérito de marcar. “Ainda tínhamos condições de disputar o jogo de outra forma”, salientou.

Quanto a ter feito apenas duas alterações em relação aos convocados para a partida de hoje contra a Líbia, o selecionador afirmou que foi estratégico para mostrar que a confiança se mantém neste coletivo e que havia condições para ganhar o jogo. “A união da equipa é o mais importante”, finalizou.

Cabo Verde fica com 7 pontos no grupo D e junta-se à liderança do grupo aos Camarões e à Líbia, estando ainda Angola com 5 pontos (joga hoje) e Maurícias conta com 4 pontos e Eswatini continua no fundo da tabela sem marcar.

Segundo a agência Inforpress, os 54 países africanos, conforme o novo regulamento, foram divididos em nove grupos de seis seleções (Grupo A a I) e os vencedores de cada grupo classificam-se automaticamente para o Mundial 2026.

Os quatro melhores segundos vão disputar uma final-four onde vai ficar decidida a equipa que vai representar África numa repescagem intercontinental, que poderá aumentar para 10 o número de países africanos na prova a realizar-se no Canadá, Estados Unidos da América e México.

Onze inicial Cabo Verde: Josimar Dias ‘Vozinha’, Edilson Borges ‘Diney’, Logan Costa, Patrick Andrade, João Paulo Fernandes, Jovane Cabral, Jamiro Monteiro, Kevin Pina, Ryan Mendes (C), Tiago Correia ‘Bebê’, Steven Moreira;

Suplentes: Tiago Gomes (GR), Bruno Varela (GR), Wagner Pina, Jorge Xavier ‘Jojo’, Dailon Livramento, Garry Rodrigues, Kelvin Pires ‘Djack’, Deroy Duarte, Leroy Duarte, Diogo Mendes, Hélio Varela, Fabrício García;

Líbia: Al Wuheeshi (guarda-redes): Bin Ali, Saleh, Mustafa, Saheud, Saleh, Elsharimi, Aleiyan, Tubal, Mansoir e Ekrawa.

Suplentes: Almiqasbi, Darei (guarda-redes), Bin Ali, Awadh, Elkout, Elgelaib,Alsureet, Alkhoja, Aljaddawi, Bisharah, Taqtaq e Boushobah.

Cidália Semedo/ estagiária

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest