Wesley Brito é campeão do Mundo 2023 de Wingfoil

O cabo-verdiano Wesley Brito conquistou este final-de-semana o título de campeão do mundo de Wingfoil, prova organizada pela GWA e que decorreu em Dakhla, Marrocos.

Wesley Brito, jovem natural de São Vicente e que reside na ilha da Boa Vista, onde descobriu a vocação pela modalidade de wingfoil, somou os pontos necessários nas terras marroquinas para superar a concorrência e conquistar o título mundial para Cabo Verde.

“Ele (Wesley Brito) conseguiu! Após vencer o heat nos quartos-de-final, Wesley Brito sagrou-se Campeão Mundial GWA Wing Foil Wave 2023! Tudo se resumiu à sua última onda, onde ele não hesitou em apostar tudo. Parabéns!”, escreve a organização na sua página oficial, oficial de wing foil World Tour, uma nova disciplina dos desportos náuticos.

O velejador crioulo somou o maior número de pontos nesta prova realizada por vários circuitos mundiais para conquistar o título mundial, relegando o francês Benoît Carpentier para o vice, o norte-americano Zane Schweitzer para o terceiro lugar e o francês Hugo Marin para o quarto lugar.

A proeza de Wesley Brito começou a sair construída em março do ano em curso, durante a primeira etapa realizada em Ponta Preta, em Santa Maria (ilha do Sal), onde, o velejador cabo-verdiano venceu a I Etapa do Wingfoil Worldtour Cabo Verde’2023 (Mundial de Wing-Foil) ao bater o francês Benoit Carpentier na final.

Assim como Wesley Brito, que triunfou na prova masculina, a norte-americana Moona Whyte, que também tinha conquistado a primeira etapa em Ponta Preta, festejou o título mundial em Dakhla, em femininos.

Moona Whyte venceu a prova, atirando a espanhola Nia Suardiaz para o segundo posto, Bowien Van der Linden, dos Países Baixos com o terceiro lugar, e a espanhola Elena Morena para o quarto lugar.

Os dois atletas conquistaram os primeiros títulos mundiais na disciplina de ondas no GWA Wingfoil World Tour em Dakhla, em Marrocos.

“Ambos os atletas venceram a primeira de três etapas da disciplina em Cabo Verde e recuperaram de desvantagem nas mangas para lhes dar as vitórias vitais de que precisavam para garantir os cobiçados títulos no Westpoint de Dakhla”, lê-se na imprensa especializada desta organização.

Na sua primeira reação pelo título mundial, Wesley Brito disse à imprensa especializada que “a batalha nas ondas foi a realização de um sonho” e que ficou encantado por conquistar o título de campeão mundial.

“É a melhor coisa que já aconteceu comigo no wingfoiling, então estou a sentir muito, muito bem”, disse Brito.

“Sempre quis competir nas ondas e este ano foi decidido separar as ondas do estilo livre. Onde eu moro só há ondas, então eu estava realmente ansioso por esta oportunidade”, explicou.

c/ Inforpress

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest