FAO está a trabalhar para levar o projecto Reflor-CV a Santo Antão e São Nicolau, diz responsável

A Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura em Cabo Verde (FAO) está a trabalhar para levar o projecto Reflor-CV às ilhas de Santo Antão e São Nicolau e beneficiar as comunidades que moram na floresta.

A informação foi avançada pela representante Ana Touza, durante o “Diálogo sobre o papel das mulheres na mitigação das mudanças climáticas”, realizado hoje e que contou com a participação de mulheres líderes de comunidades abrangidas pelo projecto REFLOR-CV, visando celebrar o Dia Internacional das Mulheres assinalado nesta terça-feira, 08 de Março.

A responsável explicou que o projecto tem por objectivo aumentar a resiliência e a capacidade de adaptação para enfrentar os riscos adicionais colocados pelas mudanças climáticas na desertificação e degradação da terra em Cabo Verde e está a ser implementado em Santiago, Fogo e Boa Vista.

O projecto, que tinha como meta alcançar cerca de 800 hectares (área correspondente a 800 campos de futebol), conseguiu atingir, segundo Ana Touza, mais de 1000 hectares e plantar 250 mil plantas, sobretudo em Santiago e Fogo.

“Vamos continuar com alguns trabalhos e trabalhar para conseguir financiamento para atingir outras ilhas, outros perímetros florestais e comunidades que moram na floresta”, garantiu a representante que disse que a ideia é atingir Santo Antão e São Nicolau.

Considerou que o projecto teve um grande impacto na vida das mulheres dessas comunidades, mas também impactos a nível global e dos indicadores que Cabo Verde tem no protocolo assinado a nível internacional.

“Sendo hoje o Dia Internacional da Mulher, decidimos reunir para reflectirmos e analisamosr o impacto que o projeto teve nas comunidades e podemos ver que conseguiram melhorar a sua capacidade de gestão, melhorar a articulação entre a floresta e as mulheres”, apontou Ana Touza

Maria Varela, da comunidade do Tarrafal, que foi uma das beneficiadas, disse que o projecto chegou em boa hora, uma vez que conseguiu ajudar e empoderar 75 mulheres chefes de famílias.

“O projecto Reflor-CV foi um sucesso. Em 2020, conseguimos plantar 12 mil plantas e em 2021 oito mil variedades de plantas como tamborina, sinbrom, purgueira”, sublinhou Maria Varela, que avançou que graças ao projecto conseguiram um ganha pão, uma vez que grande parte das mulheres estavam no desemprego.

Por outro lado, Katia Pereira, da Associação Comunitária para o Desenvolvimento do Planalto Rui Vaz, considerou o projecto de grande valia para as comunidades e para o empoderamento das mulheres chefes de família.

“O projecto chegou a Rui Vaz em boa hora e conseguiu empregar cerca de 50 mulheres chefes de família que estavam no desemprego”, apontou, indicando que de 2018 a 2021 conseguiram fixar cerca de 28 mil plantas sendo maioria endémicas.

O Projecto Reforço da Capacitação de Adaptação e Resiliência do Sector Florestal em Cabo Verde é do Ministério da Agricultura e Ambiente, financiado pela União Europeia e executado pela Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), no montante de cinco milhões de euros.

O seu principal objectivo é o de aumentar a resiliência e a capacidade de adaptação para enfrentar os riscos adicionais colocados pelas mudanças climáticas na desertificação e degradação da terra em Cabo Verde.

Inforpress

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest