Inquérito da ONU condena “extermínio” de palestinianos

O uso repetido de bombas pesadas por Israel na Faixa de Gaza, densamente povoada, indica violações repetidas das leis da guerra, afirmou a ONU.

A chefe da Comissão de Inquérito das Nações Unidas (COI), Navi Pillay, afirmou na quarta-feira, 19, que os militares israelitas estão a levar a cabo o “extermínio” dos palestinianos, acrescentando que os autores de abusos no conflito devem ser responsabilizados.

“Em relação às operações militares e aos ataques de Israel em Gaza a partir de 7 de outubro, concluímos que as autoridades israelitas são responsáveis por crimes de guerra, crimes contra a humanidade e violações do direito internacional humanitário e dos direitos humanos, incluindo o extermínio, a direção intencional de ataques contra civis e objectos civis, o homicídio ou a morte intencional, a utilização da fome como método de guerra, a transferência forçada, a perseguição em função do sexo visando homens e rapazes palestinianos, a violência sexual e baseada no sexo equivalente a tortura e o tratamento cruel ou desumano.”, declarou Pillay.

A eurodeputada reiterou as conclusões de um relatório publicado na semana passada, segundo o qual tanto os militantes do Hamas como Israel cometeram crimes de guerra, mas afirmou que Israel é o único responsável pelos abusos mais graves ao abrigo do direito internacional, conhecidos como “crimes contra a humanidade”.

Segundo a relatora, a escala das perdas civis palestinianas equivale a “extermínio”.

Israel, que não coopera com o inquérito e alega um preconceito anti-israelita, escolheu Meirav Gonen, a mãe de Romi Gonen, refém do Hamas de 23 anos, para falar em seu nome e criticou o relatório por não ter dado a devida atenção aos reféns feitos pelo Hamas em 7 de outubro.

“A comunidade internacional não deve permitir que considerações políticas se sobreponham aos nossos valores humanos fundamentais. A energia e os recursos devem ser direccionados para garantir a libertação dos reféns e a reabilitação das vítimas.”, disse Meirav Gonen.

A ofensiva aérea e terrestre de Israel já matou mais de 37 400 pessoas no território palestiniano governado pelo Hamas, segundo as autoridades sanitárias do país.

Israel lançou o seu ataque depois de os combatentes do Hamas terem atravessado a fronteira para o sul de Israel em 7 de outubro, matando cerca de 1200 pessoas e fazendo mais de 250 reféns, de acordo com os registos israelitas.

Segundo Pillay, o COI está a partilhar as suas provas com o Tribunal Penal Internacional e o Tribunal Internacional de Justiça, mas até agora tem enfrentado obstruções por parte de Israel.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest