Mulheres de Santa Catarina partilham com PR situação “preocupante” do país

O Presidente da República, José Maria Neves, recebeu na tarde desta quarta-feira um grupo de 30 mulheres de Santa Catarina, que se manifestaram “preocupadas” com a situação actual do país e que poderá agravar-se ainda mais.

Antes do encontro, as mulheres efectuaram uma visita guiada para conhecer o Palácio da Presidência, momento que, segundo a porta-voz do grupo, Elisangela Semedo, é “único” não só pela recepção “calorosa”, mas pela oportunidade disponibilizada.

Esta responsável disse que neste momento “os problemas são muitos” e os últimos acontecimentos têm-lhes preocupado ainda mais, sendo que as mulheres sobretudo as chefes-de-família são as mais afectadas.

Sendo José Maria Neves o Presidente de todos os cabo-verdianos e “amigo” de Santa Catarina, apelou ao Chefe de Estado a usar a sua magistratura de influência no sentido de ajudar essas mulheres que são na sua maioria mães solteiras.

“As mulheres de Santa Catarina são batalhadoras e precisam ainda mais de apoio, com muito sacrifício e dificuldade têm exercido o seu papel e o dos homens, e o facto de enfrentarem as dificuldades torna-as mais fortes para erguerem-se, mas se tiverem uma mão amiga é sempre bem-vinda para torná-las cada vez mais fortes”, mencionou.

Por outro lado, adiantou que o encontro serviu também para desejar sucessos ao Presidente da República pela sua “determinação” e trabalho desempenhado em prol das mulheres.

Por seu turno, José Maria Neves começou por contar um pouco da sua trajetória e dos desafios encontrados quando assumiu candidatar-se ao cargo de presidente da Câmara de Santa Catarina, primeiro-ministro e Presidente da República, momentos esses que, reconheceu, ficaram marcados pela mobilização e apoio das mulheres de Santa Catarina.

Na ocasião explicou que o Chefe de Estado não governa, mas pode fazer muito pelas ilhas ao colocar a fasquia um pouco mais alta e elevar o nível de discussão política do País.

“Nós não somos iguais, podemos pensar de forma diferente, temos de naturalizar e desdramatizar o facto de pensarmos diferente, temos de discutir com elevação, com educação, elegância para que possamos encontrar compromissos e consensos para o nosso País”, apontou o Chefe de Estado.

Para José Maria Neves, o Presidente da República pode ser o porta-voz daqueles que mais precisam e pode colocar ainda um conjunto de questões na agenda política do País.

Na ocasião reconheceu que o País “cresceu muito” e teve ganhos a nível da educação, saúde infra-estrutura e não só, mas sublinhou que existem ainda muitos desafios e “grande parte é conjugado no feminino”.

“Se formos ver a geração de 50, 60 as mulheres têm ainda muitas desvantagens, se formos ver o nível de instrução podemos ver que geralmente os homens foram beneficiados”, referiu José Maria Neves que disse que a pobreza afecta sobretudo as mulheres e que há um grau elevado de desigualdade na distribuição de poder.

Esses e outros, segundo o Chefe de Estado, são os desafios e caminhos a serem ultrapassados em relação às mulheres apesar dos ganhos e avanços alcançados.

Inforpress

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest