Permitir que operadores portugueses contratem 2.500 trabalhadores será um desastre total para nós, diz Cabo Verde Empresas

A Cabo Verde Empresas (CVE) manifestou-se hoje preocupada com a intenção dos operadores turísticos do Algarve, Portugal, em contratar 2.500 jovens cabo-verdianos, para dar resposta “à crescente e atual” necessidade de mão-de-obra, a nível do sector, naquela região.

A inquietação foi exposta através de uma nota de imprensa, a que Inforpress teve acesso, onde o presidente da associação, Andrea Benolli questiona se Cabo Verde é “viveiro” de mão-de-obra do Algarve.

“Parece que o Governo de Cabo Verde também acordou com o Governo português, procedimentos especiais para obter um visto de forma rápida e sem demasiadas burocracias… um tapete vermelho que permitirá aos operadores turísticos estrangeiros chegar, escolher, comprar, exportar o know-how dos nossos funcionários, com muitos aplausos pela excelente iniciativa”, analisou em tom de ironia.

Segundo a mesma fonte, o Governo investiu junto com a cooperação e “endividou o País” para recorrer a fundos do Banco Mundial e de outras organizações internacionais, para financiar o investimento em infraestruturas e programas de formação de jovens, homens e mulheres cabo-verdianos, para que possam obter uma qualificação profissional, “e até ter” uma Carteira Profissional que certifica a competência técnica e dá acesso ao mercado de trabalho.

“É preciso ter em conta que as necessidades do país estão a aumentar, dadas as recentes aberturas de mais hotéis, como, por exemplo, na cidade de Mindelo, enquanto o nosso sistema de formação é incapaz de treinar 2.500 novos funcionários em pouco tempo e a alta temporada está chegando”, acautelou.

Referiu que em 2019, havia 9.050 empregados na hotelaria, sendo que os estabelecimentos tipo hotéis concentravam 85,2% desse total, os nacionais representavam 92,7% da força de trabalho, 77% destes trabalhavam nas ilhas do Sal e da Boa Vista e 58,8% são mulheres.

“Portanto, permitir que os operadores portugueses adquiram 2.500 trabalhadores será um desastre total para nós”, reiterou Andrea Benolli, para quem os investimentos previstos para a época alta estarão em risco, não tanto em termos de quantidade, mas de qualidade, com repercussões, acentuou, na imagem do destino turístico e “com prováveis consequências” nas vendas da época 2023/2024.

Considerando que o sector privado “é o único atualmente capaz” de manter Cabo Verde no centro de um cenário turístico de referência, sobretudo para a época de inverno, Andrea Benolli diz que “abrir as portas do galinheiro” não trará qualquer conforto ao criador, mas certamente um prejuízo em termos de know-how, cujo preço, “uma vez mais”, terá de ser pago pelo sector privado.

“Os operadores turísticos algarvios irão escolher os melhores, aqueles já formados e por isso, já contratados pelas empresas cabo-verdianas, pelo que, esse interesse deve ser contrabalançado com o estabelecimento de um acordo comercial que crie um vínculo simples para cada trabalhador formado. É também preciso contratar e formar em Portugal jovens cabo-verdianos desempregados”, sugeriu.

Além disso, acrescentou, é preciso negociar compensações para os operadores nacionais e garantir a continuidade de direitos laborais e segurança social. Esta poderia ter sido, segundo a mesma fonte, uma solução “certa e negociada” para resolver os problemas do Algarve e, ao mesmo tempo, reduzir o desemprego em Cabo Verde, sem afetar os investimentos do sector privado no arquipélago.

“As empresas não podem ser chamadas apenas a pagar impostos e formar os seus funcionários, a investir e a criar empregos”, finalizou.

Inforpress

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest