Presidente da Associação dos Taxistas da Praia diz que plataforma ‘Táxi Praia’ “não tem nenhuma vantagem”

O presidente da Associação dos Taxistas da Praia, Adriano Monteiro, disse hoje que a implementação da plataforma ‘Táxi Praia’ “não tem nenhuma vantagem” para os praienses.

Em declaração à Inforpress, Adriano Monteiro explicou que o aplicativo implementado pela câmara da Praia está na “fase experimental” e que o uso do mesmo é facultativo, pelo que os taxistas “não vão ser obrigados a utilizá-lo”.

Para Monteiro, “não faz sentido” utilizar o aplicativo de chamada ao domicílio, uma vez que “este serviço é pago”, enquanto que os clandestinos ficam isentos desta cobrança.

Segundo ele, neste momento, circulam na capital cerca de 300 carros que fazem fretes clandestinos, publicamente, “concorrendo com os táxis”.

Avançou, por outro lado, que apenas oito táxis estão a fazer a utilização do aplicativo “Táxi Praia”.

“O aplicativo pode ajudar, mas não muito, porque é costume as pessoas pagarem um valor estipulado, como por exemplo, Achada Santo António/Praia pagam 150 escudos, enquanto que a utilização do aplicativo eleva o custo”, disse Monteiro.

Na sua perspectiva, nem todas as pessoas que usam táxis têm acesso a um cartão Vinti4, mas sim, usam dinheiro vivo, e, assim, alegou, “não tem vantagem o uso deste aplicativo”.

O aplicativo foi apresentado na sequência do programa para Segurança Rodoviária da Câmara Municipal da Praia, denominado “Bem Conduzir para Melhor Viver”, com o objectivo de disciplinar o estacionamento e funcionamento das praças de táxis, permitindo assim uma melhoria na circulação de veículos e acessibilidade para peões no município da Praia.

Com o aplicativo “Táxi Praia”, os utentes poderão, a partir das suas residências, ou qualquer outro sítio, fazer pedido de táxi e ainda identificar todos os táxis disponíveis nas imediações em que se encontram.

Porém, os utentes não podem usar táxis que estejam a menos de 200 metros de uma praça de táxi.

De acordo com a Câmara Municipal da Praia, esta medida foi implementada em concertação com a Associação dos Proprietários de Táxis, Polícia Nacional e Direcção-geral dos Transportes Rodoviários (DGTR).

Inforpress

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest