Santa Catarina: BM destaca projeto de conectividade e requalificação urbana na ligação das comunidades isoladas

A diretora do Banco Mundial para Cabo Verde considerou esta quinta-feira, 25, que o projeto de conectividade e requalificação urbana complementa os projetos a decorrer no país, destacando que o objetivo é ligar as comunidades isoladas.

Keiko Miwa fez estas considerações no seu discurso em Assomada, no ato da apresentação pública do projeto que visa melhorar a conectividade e a infraestrutura urbana, aprovado em Novembro de 2023, com um financiamento de 40 milhões de dólares.

A responsável explicou que o objetivo é ligar ou melhorar as condições de comunidades isoladas, locais turísticos e pequenos negócios.

Durante o seu discurso, a diretora do Banco Mundial para Cabo Verde explicou que o projeto “visa melhorar a acessibilidade a transportes e infraestruturas urbanas resistentes ao clima para comunidades específicas em Cabo Verde”.

Neste ato, aproveitou para reforçar o compromisso do BM em continuar a trabalhar juntamente com o Governo de Cabo Verde para a melhoria das condições de vida dos cabo-verdianos e apoiar o processo de desenvolvimento do país.

Esta responsável recordou que Cabo Verde se tornou membro do BM em 1978, três anos após a sua independência e desde esta data o arquipélago tem assumido compromissos e realizados obras e investimentos, demonstrando assim que a colaboração é “duradoura e que cresceu consideravelmente nos últimos anos”.

“Nosso portfólio de projetos era de 82 milhões de dólares em 2015 e, em 2023, havia se expandido para quase 300 milhões de dólares”, recordou, realçando que o que tem motivado estes investimentos são a “estabilidade política e social do país e a credibilidade dos sucessivos governos cabo-verdianos”.

Daí, avançou que o BM vai continuar a apoiar o Governo no processo do desenvolvimento do país, com intervenções em diversas áreas, reafirmando o compromisso em dar continuidade aos projetos na área da saúde com diversos programas em curso.

Igualmente, este compromisso versa para a questão do capital humano, de forma a preparar a futura força de trabalho para o emprego e para uma economia mais orientada para os serviços e digital, com ênfase na proteção social e na inclusão produtiva, além da continuidade dos apoios a projetos na área do turismo, da Economia Azul, sem deixar de lado os projetos de conectividade.

Por seu turno, o primeiro-ministro, Ulisses Correia e Silva, destacou o facto do país ser ilhas e com fronteiras naturais que precisam de conectividade, tanto aérea como marítima, mas também defendeu que é preciso ligação dentro de cada ilha, particularmente as montanhosas com várias comunidades dispersas.

O chefe do Governo assinalou que as zonas encravadas têm potencial, além das pessoas que residem nas localidades.

Destacou a importância do programa de desencravamento que vai apresentar resultados diretos nas pessoas que residem no local, que têm negócios, impacto no turismo, mas sobretudo na educação que, segundo o chefe do Governo, vai permitir aos jovens e às crianças terem acesso a uma melhor educação e com menos sacrifício.

Ulisses Correia e Silva falou também dos estudos para a construção de uma via rápida que liga a cidade da Praia ao município do Tarrafal, sublinhando a importância de criar condições e de ter infraestruturas que impactam a sociedade e que criem valores de diversas ordens.

O primeiro-ministro falou também de vários outros projetos com o financiados pelo BM, e que têm como foco a melhoria das condições de vida dos que ali vivem, mas também criar condições para atividade económica e atrativos para o investimento dos emigrantes.

Já a presidente da Câmara Municipal de Santa Catarina, Jassira Monteiro, agradeceu o Governo e o Banco Mundial por permitir que os santa-catarinenses e em especial a população das localidades beneficiadas terem este sonho de ver as estradas de ligações ou o centro urbano requalificado, realçando que são sonhos e reivindicações de há muitos anos e que agora vão ser concretizados.

Destacou que a autarquia tem tido uma “forte agenda” na área social, elencando o Centro Social onde prestam apoios às várias famílias carenciadas, a reabilitação de habitações, construção de casas de banho, entre outros apoios, reforçando que o foco continua a ser as comunidades, as famílias.

Segundo a autarca, este projeto de reabilitação urbana das estradas constitui uma das vertentes “fundamentais” no processo de desenvolvimento do município e vai permitir também alavancar a economia local.

O projeto contempla as estradas Arribada/Pingo Chuva/Saltos e Fundura/Ribeira da Barca, e reabilitação urbana de Ponta Calabaceira (Achada Riba) e do centro de Rincão, onde o concurso para a construção da estrada Arribada/Pingo Chuva/Saltos já está a decorrer.

Inforpress

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest