São Vicente: Navio “Nós Ferry Mar d’Canal” licenciado inicia operações as 08:15 de quinta-feira

O proprietário do “Nós Ferry Mar d’Canal”, Vlademiro Ferreira, revelou hoje à Inforpress que o navio inicia as viagens na rota São Vicente/Porto Novo/São Vicente já na quinta-feira, 24, após conclusão do processo de licenciamento.

Por enquanto, indicou Vlu, como é mais conhecido, o navio, propriedade da companhia Naviera Armas Cabo Verde, fará duas viagens diárias, com horário de saída de São Vicente as 08:15 e as 15:15, e do Porto Novo as 10:15 e as 17:15.

O navio “Nôs Ferry Mar d´Canal” recebeu na terça-feira, 22, uma visita do ministro do Mar, Abraão Vicente, que deu “a boa nova” à tripulação de que a embarcação já se encontrava licenciada para iniciar operações.

“Após a entrega do pedido de licenciamento, faltava ainda a declaração de todos os tripulantes, que recebemos com a devida validação da Capitania dos Portos, e, portanto, cumpre-se, assim, as Lei da República, autorizando o licenciamento que permite o “Nôs Ferry Mar d’Canal” voltar à linha, está liberado para as viagens”, declarou o ministro Abraão Vicente.

Segundo a mesma fonte, tendo a empresa “cumprido todos os requisitos técnicos e legais”, cabia ao Governo de Cabo Verde cumprir “os desígnios da República”, ademais por se tratar, assinalou, de um navio que, pelo histórico e também por ter recebido o aval do Estado de Cabo Verde para concretizar as mudanças, “não fazia sentido, ao cumprir a lei, não entrar em linha”.

Abraão Vicente destacou ainda a “minúcia” do trabalho de remodelação efectuado no navio que, doravante, reiterou, pode oferecer “outro nível de experiência”.

“É o que nós estamos a tentar construir, também no sector marítimo, que o mar deixe de ser um caminho de turbulência para quem não tem alternativa de viajar de avião”, finalizou o governante.

O navio “Nos Ferry Mar d’Canal” passou mais de ano numa “intervenção profunda” em doca seca e no mar, que incluiu um “extenso programa” de reconstrução, requalificação e modernização.

Tal programa incluiu a substituição “de mais de 60%” da chaparia do navio, “renovação completa” dos dois motores, dos tanques de lastro e da ponte de comando, para além da inclusão de assentos “último grito” para passageiros e “remodelação completa” de salões, sanitários e acomodação da tripulação.

 

Inforpress

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest