Empresas com contabilidade organizada podem registar-se na Plataforma “Empresa Excelência” a partir de 15 de junho

Em novembro deste ano as empresas elegíveis serão distinguidas com o selo “Empresa Excelência” pela primeira vez.

Foi apresentada oficialmente nesta quinta-feira, dia 6, na cidade da Praia a plataforma “Empresa Excelência”, uma iniciativa, que visa reconhecer e premiar as melhores práticas empresariais, a transparência e o desenvolvimento sustentável.  O cadastro na plataforma está disponível online a partir de 15 de junho e as candidaturas podem ser feitas até o final de setembro. As iniciativas selecionadas para receber o primeiro selo “Empresa Excelência”  devem ser anunciadas numa cerimónia em novembro, no Mindelo, durante a FIC.

Trata-se de uma iniciativa da empresa de consultoria financeira BTOC co-financiada pelo Accelerator Lab do PNUD, Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento, em Cabo Verde.

Segundo Carlos Graça, responsável da BTOC Cabo Verde, a plataforma é destinada às empresas com contabilidade organizada, sendo que existem aproximadamente quatro mil empresas registadas a nível nacional. A ambição é que as empresas do regime REMPE também “olhem para esta iniciativa e ambicionem um dia fazer parte dela”.  

A partir da próxima semana, 15 de junho, as empresas nacionais vão poder submeter os seus dados financeiros, como as demonstrações de resultados, para avaliação na plataforma Empresa Excelência ( https://empresaexcelencia.cv/ ). “A plataforma permite fazer uma análise única, por exemplo, do ano, e permite fazer análises comparativas entre anos. Ou seja, a mesma empresa pode, por exemplo, carregar três anos e fazer análises comparativas e pode também depois comparar com outros indicadores que a plataforma tenha, como por exemplo, as estatísticas do INE para se comparar com os seus pares ou com empresas do setor”, explica a mesma fonte em declarações ao Balai.

Segundo o responsável, apenas a própria empresa terá acesso às informações completas, garantindo a privacidade e confidencialidade. “A informação é exclusiva da empresa (…) a comparação pode ser feita, mas nunca tem nomes associados”.

A mesma fonte adianta que desde a primeira apresentação na FIC em novembro de 2023, várias empresas já manifestaram interesse em se candidatar. A expectativa é que após o lançamento mais empresas se juntem à iniciativa. ” Temos uma expectativa de termos um universo de quatro mil empresas (…) em cinco anos, ter todas essas empresas”.

A plataforma, que foi desenvolvida por uma empresa nacional do ecossistema digital, foi desenhada para fazer tudo praticamente sozinha. “Haverá apenas uma verificação do ponto de vista mais processual, mas os indicadores são todos calculados automaticamente. Portanto, não temos aqui critérios de subjetividade”, avança Carlos Graça e acrescenta que “os critérios estão definidos num regulamento que foi desenhado e concebido em parceria com os bancos”.

A plataforma permite que as empresas façam um autodiagnóstico contínuo ao longo do ano, o que facilita a gestão e a melhoria de desempenho. “Depois da empresa fazer o diagnóstico tem automaticamente a informação se pode ou não submeter a sua candidatura (ao selo excelência). Se pode, então automaticamente recebe a informação de que a candidatura foi aceite e é só esperar pela indicação”.

As empresas que forem reconhecidas recebem um selo distintivo de “Empresa Excelência”, que pode ser usado na sua comunicação, aumentando a visibilidade e a credibilidade. A primeira entrega do selo Empresa Excelência deverá acontecer em novembro, durante a FIC, que este ano acontece em Mindelo.

O representante da BTOC salienta ainda que os bancos estão abertos a oferecer condições diferenciadas às empresas certificadas, reconhecendo o rigor e a qualidade das informações fornecidas. “Quando começámos a falar com os bancos, percebemos que os bancos estão abertos a olhar para uma empresa que tem este tipo de distintivo de uma forma diferente, porque a priori aquela empresa tem um conjunto de informações bem preparadas”.

Presentes no evento, alguns representantes do ecossistema financeiro, nomeadamente da banca, mostraram-se confiantes de que a ferramenta apresentada pode permitir um maior acesso à informação e dados, proporcionando maior garantia ao investimento e na concessão de crédito às empresas.

Carlos Graça afirma ainda que a iniciativa que veio para ficar e será atualizada anualmente, adaptando-se às necessidades e ao contexto económico, sendo que a expectativa é que a mesma tenha um impacto positivo na gestão e desempenho das empresas cabo-verdianas, incentivando boas práticas e crescimento sustentável.

A iniciativa que é co-financiada pelo Accelerator LAb da PNUD conta com oapoio da Secretaria de Estado do Fomento Empresarial.

No evento de lançamento, David Matern, representante do PNUD, UNFPA e UNICEF em Cabo Verde, salientou que as empresas são importantes motores de desenvolvimento e inovação. O representante da instituição internacional afirmou ainda que espera que a ferramenta seja um bom veículo para contribuir para a transparência e desenvolvimento sustentável e para que as empresas adotem os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) nas suas iniciativas.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest