Exportações de armas dos EUA disparam, as da China diminuem

A invasão da Ucrânia beneficiou os EUA e levou a um grande aumento das importações de armas para a Europa, revela relatório do Instituto Internacional de Investigação sobre a Paz de Estocolmo (SIPRI).

Enquanto o resto do mundo se desarma lentamente, a Europa está rapidamente a fazer o contrário, de acordo com o mais recente relatório do SIPRI. O instituto examina e compara o comércio global de armas em períodos de quatro anos, o que reflete melhor as tendências globais do que olhar para o negócio do armamento em apenas doze meses.

Entre as duas tendências mais importantes do último relatório, o investigador do SIPRI Pieter Wezeman diz, em declarações à DW, que as transferências de armas para os países europeus aumentaram “significativamente” e que “o papel dos EUA como fornecedor de armas no mundo também aumentou significativamente”.

No período mais recente examinado, 2018-2022, o comércio internacional de armas diminuiu um pouco mais de 5% em comparação com 2013-2017. Em contraste, as importações de armas pelos países europeus – a grande maioria das quais veio dos Estados Unidos – aumentaram em 47%, e as dos países europeus integrantes da NATO em 65%. A razão por detrás disto é, sem surpresas, a invasão russa da Ucrânia.

Exportações dos EUA para a Ucrânia, Arábia Saudita e Japão

No passado, a Ucrânia não foi um dos principais atores no comércio internacional de armas. Fez grande parte do seu equipamento de defesa em solo nacional, e o resto sobrou da era soviética. No último relatório do SIPRI, porém, ocupa o 14º lugar na lista dos importadores mundiais de armas e, considerando apenas 2022, a Ucrânia ocupa o terceiro lugar.

No seu relatório, o SIPRI refere-se normalmente a “transferências de armas”, o que significa tanto o comércio de armas como a assistência militar gratuita, sendo esta última o principal fornecimento bélico da Ucrânia. Este tipo de ajuda militar consiste geralmente em equipamento mais antigo ou reservas excedentes de nações doadoras.

O relatório mostra como, devido a isto, o que foi entregue à Ucrânia perde valor numa comparação com as vendas de novas armas. Por exemplo, apesar das entregas maciças de armas dos EUA à Ucrânia em 2022, Washington ainda enviou mercadorias de maior valor para o Kuwait, Arábia Saudita, Qatar e Japão. Estes quatro países compraram equipamento particularmente novo e sofisticado, como jatos de caça, algo que a Ucrânia tem vindo a solicitar urgentemente aos aliados ocidentais.

França ganha, Alemanha perde

Os cinco maiores exportadores de armas são, por ordem: os EUA, a Rússia, a França, a China e a Alemanha. Embora esta classificação não tenha mudado desde o último relatório, houve mudanças significativas em relação aos países individualmente.

Por exemplo, os EUA, já no topo da lista, aumentaram as exportações em mais 14% e são agora responsáveis por 40% das transferências globais de armas.

Um aumento muito maior de 44% foi registado pela França, que foi capaz de expandir a sua posição como número três. No entanto, de acordo com o SIPRI, tais mudanças bruscas não são incomuns, porque pode haver encomendas particularmente grandes e lucrativas dentro de um determinado período de tempo.

É também assim que Pieter Wezeman explica a queda acentuada no negócio da defesa alemã a 35% menos do que no relatório anterior. Mas, segundo Wezeman, desta vez, “a mudança nas exportações de armas pela França é talvez de natureza mais estrutural. A França pôs muita ênfase na tentativa de apoiar a sua indústria de armamento e conseguiu claramente fazê-lo na última década”.

Isto esteve claramente na mente do chanceler alemão Olaf Scholz durante uma recente visita à Índia. As potências ocidentais estão a tentar encorajar Nova Deli a depender menos da Rússia para obter armamento. E embora a França tenha passado anos a estabelecer-se como o segundo maior fornecedor da Índia depois de Moscovo, a Alemanha não desempenha qualquer papel nas importações de armas para a Índia.

China “surpreendentemente” em queda

Igualmente impressionante é a queda de 23% nas exportações de armas chinesas e, em geral, a baixa importância da China como exportador global de armas em comparação com a sua economia como um todo. Wezeman explica: “A China não conseguiu entrar em alguns dos principais mercados de armas, por vezes por razões claramente políticas”. Por isso, diz o especialista, a China não vende armas à sua rival, a Índia, por exemplo.

“Surpreendentemente”, acrescenta, a China também “não conseguiu realmente competir contra os fornecedores de armas europeus e americanos à maioria dos Estados do Médio Oriente, especialmente aos árabes”.

A Rússia forte em África

À medida que a Europa começou a importar mais armas, a sua quota de transferências internacionais de armas também aumentou, de 11% em 2013-2017 para 16% em 2018-2022. Ao mesmo tempo, as transferências de armas diminuíram em todas as outras regiões do mundo.

Um dos casos mais extremos registou-se em África, onde as transferências recuaram 40%. Mas isso não tornou o continente mais pacífico, afirma Wezeman.

Ainda existem numerosos conflitos armados em África. No entanto, acrescenta, esses “países não são capazes de adquirir um grande número de armas avançadas e, portanto, nesse sentido, o valor total da transferência de armas para a região não é tão alto quanto o número de conflitos pode sugerir”.

Na África subsaariana, a Rússia ultrapassou agora a China como o maior fornecedor de armas. Um exemplo é o Mali. A nação do Sahel costumava comprar armas a uma série de países, incluindo a França e os Estados Unidos. Contudo, após os golpes de Estado no Mali em 2020 e 2021, estes dois países ocidentais começaram a reduzir significativamente os seus negócios no país, enquanto que a Rússia expandiu as suas vendas.

Outro exemplo das consequências das perturbações políticas para a cooperação em matéria de armamento – numa região diferente – é a Turquia. O membro da NATO foi o sétimo maior comprador de equipamento de defesa dos EUA em 2013-2017. Mas como a relação entre Ancara e Washington se tornou mais tensa, a Turquia ocupa agora apenas o 27º lugar.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest