FIC: Precisamos mudar hábitos mentais, romper com formas de estar e aumentar a produtividade – PR

O Presidente da República disse ontem, dia 18, que para acelerar a economia do país as pessoas precisam mudar os hábitos mentais, romper com formas de estar, aumentar a produtividade nas empresas e ter melhor desempenho no que se faz.

José Maria Neves fez estas considerações durante à sua visita à 25ª edição da Feira Internacional de Cabo Verde (FIC), realizada nas instalações da Enapor, em São Vicente, sob o lema “25 anos criando oportunidades de negócios”.

Segundo José Maria Neves a FIC tem crescido e mostrado as potencialidades do País nos domínios comercial, nas telecomunicações e na indústria e a visita aos stands é uma excelente oportunidade de conhecer esses ganhos.

No entanto, defendeu que para acelerar ainda mais a economia, neste momento em que se vive, Cabo Verde precisa de muitas coisas.

“Fizemos razoavelmente bem o que tínhamos de fazer, até agora, neste momento temos de, definitivamente, acelerar o passo, ter uma orientação para a eficiência e a eficácia dos resultados para sermos muito mais sofisticados nas coisas que fazemos, para ganharmos muito mais em termos de qualidade, em termos de perseguir a excelência para podermos ter muito mais qualidade”, declarou.

Para o PR os ingredientes para acelerar o passo, ter mais competitividade e mais crescimento da nossa economia estão na mudança dos hábitos mentais, no romper com formas de estar, no aumento da produtividade nas empresas e ter melhor desempenho em tudo o que se faz.

Antes de visitar a FIC, José Maria Neves visitou o Centro Nacional de Artes Artesanato e Design (CNAD), pela primeira vez, após a sua reabilitação. Para o Presidente da República, o Ministério da Cultura, os agentes culturais e os técnicos estão de parabéns porque o CNAD é um espaço de “excelência”.

“Gostei muito da reabilitação que se fez, das perspectivas em si, em termos de gestão de criação para termos indústrias criativas, para termos mais vigor intelectual. Para acelerarmos o ritmo de transformação de Cabo Verde, precisamos de cultivar a excelência, de criar espaços de inovação e é isso que o CNAD é hoje pela visita que eu fiz”, arrematou.

Inforpress

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest