Filho de cabo-verdianos aposta no aluguer de barcos e torna-se empreendedor de sucesso em Roterdão

Wesley dos Santos tem 32 anos e é um empreendedor bem-sucedido nos Países Baixos, onde apostou no aluguer de barcos e não só.

Wesley dos Santos é filho de mãe mindelense e pai santantonense, ambos imigrantes na Holanda, onde nasceu há 32 anos. O empreendedorismo corre-lhe nas veias. É formado em Administração de empresas, mas a sua aptidão para fazer negócios vem desde tenra idade.

“Quando frequentava a escola primária vendia CD e DVD. Gravava músicas holandesas e cabo-verdianas, filmes e videoclipes e o meu colega Adilson Araújo vendia-os na escola”, conta e diz que depois aventurou-se na área de desporto tendo jogado futebol durante 11 anos num clube dos Países Baixos.

Em 2013, formou-se em Administração de Empresas numa universidade de Roterdão e no ano seguinte, juntamente com Adilson Araújo, criou uma marca de sapatos denominada Diversité e diz que foi assim que começou oficialmente a fazer negócios. Os sapatos eram desenhados pelo próprio Wesley e eram fabricados em Portugal e posteriormente vendidos em Roterdão.

“Vendemos vários pares de sapatos e ganhamos muita experiência. Após seis anos, na pandemia, decidimos terminar o negócio. Dependíamos de muitas coisas, principalmente da fábrica”, diz e revela que foi o primeiro filho de cabo-verdianos a apostar nesse ramo nos Países Baixos.

Mal sabia que dois anos depois, durante um passeio romântico de barco, teria uma ideia de negócio que mudaria a sua vida. Em 2017, alugou um barco pequeno numa cidade perto de Roterdão para passear com a namorada e a experiência o marcou de tal forma que decidiu replicá-la.

“Alugar um barco para andar sozinho era muito bom e em Roterdão onde temos muita água ainda não havia essa possibilidade. Por isso decidi comprar um barco para alugar e criei o meu próprio website”, recorda e diz que foi o primeiro empreendedor a apostar no aluguer de barcos pequenos em Roterdão.

Confessa entre risos que, literalmente, caiu de paraquedas nesse ramo. Não tinha conhecimento sobre barcos, sabia apenas criar um website e carregava consigo o sentimento da experiência que teve ao alugar um barco pequeno.

Os dois primeiros anos não foram fáceis para o empreendedor. ”Sou cabo-verdiano, jovem e entrei num setor que na Holanda normalmente é dominado por pessoas brancas. Foi complicado conseguir um lugar perto da minha casa para estacionar o barco, durante dois anos fiz uma hora de percurso. Não tinham confiança em mim. Sinto que era por causa da minha idade e cor da minha pele”, conta e diz que durante esse período foi testado.

Atualmente, a empresa denominada “Ikapitein” conta com 10 barcos no local e emprega 11 funcionários, sendo a maioria cabo-verdianos. O preço para alugar as embarcações varia entre 5500 escudos a 22 mil escudos por hora e depende do tamanho do barco. “Todos os anos cerca de 20 mil pessoas procuram Ikapitein para experimentarem os nossos serviços”, revela e acrescenta que também abriu um restaurante onde combina as cozinhas e a cultura holandesa e cabo-verdiana.

Em 2019, o jovem empreendedor realizou um TEDx Talk em Roterdão e “a partir daí abriram-se várias portas”. No evento o empreendedor foi desafiado a escrever um livro. Foi assim que na pandemia nascia “Ondernemen als een Baas” (empreender como um chefe) onde conta a sua história, bem como de outros empreendedores de sucesso na Holanda e ainda traz ferramentas essenciais do empreendedorismo.

Já vendemos mais de 12 mil exemplares. Não estava à espera porque não me vejo como escritor. As pessoas gostam da minha forma de comunicar porque não uso palavras difíceis. A obra está à venda online, bem como em todas as livrarias da Holanda. Por enquanto, é apenas em holandês, mas quero traduzi-la para inglês e português.”

Um empreendedor preocupado com a sustentabilidade ambiental

Além de Ikapitein, Wesley dos Santos também tem uma empresa em parceria com o também cabo-verdiano Harrison dos Santos denominada “Aqua Mobility”,  que importa e exporta produtos de recreação de água, projeto esse que apresentou há cerca de 4 anos ao rei da Holanda e ao ex-presidente de Cabo Verde, Jorge Carlos Fonseca.

“Por exemplo, temos uma bicicleta de água que comercializamos para vários países. Dentro de três meses vamos colaborar com uma companhia em São Vicente que vai passar a alugar as bicicletas de água”, diz e avança que a ambição é ter um portfólio de produtos de água e apostar mais em Cabo Verde.

Preocupado com a sustentabilidade ecológica, há cerca de 3 anos o empreendedor criou um barco maior que possui uma ferramenta que permite limpar o rio onde fica localizada a frota de barcos. “A nossa visão é ser inovador e em prol do meio ambiente. O lançamento foi espetacular. (…) Esse foi um protótipo, mas estamos a trabalhar com uma companhia para fazer outros barcos.”

No ano passado, o jovem iniciou um programa de educação nas escolas primárias de Roterdão onde partilha a sua experiência com os estudantes. “Também fazemos viagens de barco com as crianças para recolher lixos do rio de forma a criarem consciência sobre a problemática.”

Regressar às origens

Em agosto deste ano, Wesley dos Santos foi um dos oradores do TEDx Mindelo e fez questão de falar em crioulo e com os pés descalços, e de lá surgiu o convite do Secretário de Estado da Economia Digital, Pedro Lopes, para participar no evento Sikabadu Summit que aconteceu este mês (novembro) em Lisboa no âmbito da WebSummit onde Cabo Verde participou com uma comitiva de 50 pessoas. “Na WebSummit conheci várias startups cabo-verdianas e fiquei orgulhoso do trabalho que têm feito. (…) Cabo Verde tem muitas pessoas inteligentes e o que vejo é que têm falta de financiamento e precisam ser mais audaciosos.”

Focado em preservar as suas raízes, este ano o jovem empreendedor também lançou uma aplicação de realidade aumentada que visa coletar histórias de cabo-verdianos radicados na Holanda há vários anos. “É importante ter uma aplicação para salvaguardar as histórias de forma a passar de geração em geração.”

A sua ambição é ver a sua companhia Ikapitein ser conhecida também em Cabo Verde e ajudar os empresários locais com os seus produtos de água, bem como a mobilidade no país.

Gostaria de regressar mais vezes a Cabo Verde para dar aulas de negócios e contar a minha história de forma a inspirar outras pessoas e ajudar empresários de forma que os seus produtos tenham mais força e conectá-los com investidores”, diz e acrescenta que pretende também traduzir o seu livro na língua cabo-verdiana e incorporar histórias de empresários cabo-verdianos bem-sucedidos.

Para terminar, Wesley dos Santos partilha algumas ferramentas do seu livro de forma a impulsionar outros jovens empreendedores. “Usem a vossa força da imaginação e não se deixem desanimar pelas outras pessoas. Tenham confiança e deem sempre um passo à frente de forma a tentar e experimentar. E para isso é preciso serem audaciosos, atrevidos de forma responsável. Por último, não se esqueçam de usar o pensamento circular, para ver o que mais podem fazer para ajudar as outras pessoas.“

(Artigo atualizado às 11h35 do dia 24/11/2023)

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest