Fogo: “A ilha foi penalizada por falta de vontade política” , alega PAICV

A ilha foi “penalizada pela governação do MpD” por “falta de vontade política no cumprimento das promessas feitas em 2016”, declarou a cabeça de lista da candidatura do Partido Africano da Independência de Cabo Verde (PAICV), Eva Ortet.

Para a candidatura do PAICV pelo círculo eleitoral do Fogo, “nenhuma das promessas” de campanha para a ilha do Fogo foi implementada na sua totalidade e outras “nem sequer” saíram do papel.

Como exemplo, a cabeça-de-lista para o círculo eleitoral do Fogo apontou o caso do ex-presidente da câmara de São Filipe, que era deputado nacional, e que, no parlamento, “com toda a força gritava e exigia a bem da ilha”.

 

Mas, após vencer as eleições autárquicas, em 2016, teve quatro anos de mandato, com o Governo do seu lado e “com muito dinheiro”, porque recorreu a empréstimos bancários, o resultado foi “um fracasso” com apenas algumas pracetas construídas e alguns troços de estradas “mal concebidos”.

Nas suas acções de campanha, a candidatura do PAICV tem enumerado as promessas de 2016, “que não foram cumpridas”, e que estão a ser “novamente prometidas” ao eleitoral da ilha.

 

O PAICV, segundo Eva Ortet, está nestas eleições a apresentar a sua plataforma eleitoral e a pedir votos aos eleitores para “resgatar” o País e a ilha do Fogo e “investir em todos os sectores que ficaram parados desde 2016”, sobretudo o mundo rural.

 

Esta semana as acções de campanha foram intensificadas, com várias equipas distribuídas pelos três municípios, para contactos porta a porta com os eleitores, tendo na terça-feira atacado as zonas de Inhuco, Coxo, Cisterno (São Filipe) e Fonte Aleixo Sul, no município de Santa Catarina do Fogo que contou com a presença da cabeça de lista, Eva Ortet.

 

A receptividade das mensagens e dos candidatos, no dizer de Eva Ortet, tem sido “muito positiva” e a reacção das pessoas “dão ânimo e muita força” para alcançar “um bom resultado”.

 

“Estamos a trabalhar para eleger quatro dos cinco deputados, é difícil, mas é possível e cada vez que vamos a porta a porta e contactar com as pessoas nos sentimos mais encorajados para trabalhar e conseguir este objectivo a 18 de Abril”, disse.

 

Hoje, a candidatura do PAICV vai estar em contacto porta a porta nas localidades de Galinheiro, Salto, Curral Grande e Lém de Baixo, para além de encontro com a população em Galinheiro e Às-Hortas.

Às legislativas do dia 18 para eleição de 72 deputados em 13 círculos eleitorais, dos quais dez no País e três na diáspora, concorrem seis partidos – PAICV, MpD, UCID, PTS, PSD e PP.

 

PAICV, MpD e UCID concorrem em todos os círculos, PP em seis círculos (Santiago Sul, Santiago Norte, Boa Vista e os três da diáspora), PTS também em seis círculos (São Vicente, Santiago Sul, Santiago Norte e três diáspora), e PSD em quatro círculos (Santiago Norte, Santiago Sul, América e África).

 

As últimas eleições legislativas em Cabo Verde ocorreram no dia 20 de Março de 2016, tendo o Movimento para a Democracia (MpD) vencido com maioria absoluta, ao eleger 40 deputados, o PAICV 29 e a UCID três.

 

Inforpress

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest