Francisco Carvalho acusa o Tribunal de Contas de associar-se a outros órgãos da República para atacar a CMP

O presidente da Câmara da Praia acusou hoje o Tribunal de Contas de associar-se a outros órgãos da República para atacar a autarquia da capital, ao recusar o pedido de auditoria ao processo de construção do Mercado do Coco.

“O Tribunal de Contas é uma instituição da República e num país democrático, uma instituição da dimensão do Tribunal de Contas deve exercer a sua função com isenção e com imparcialidade”, referiu Francisco Carvalho, para quem “é tremendamente estranha” a justificação do TC, segundo a qual, a Câmara não tem competência, pois o edil praiense considera que está em causa “um problema público evidente”.

Considerando que o “Mercado de Coco neste momento como o maior Elefante Branco da história de Cabo Verde, com 10 anos só para ser iniciado”, com sucessivas “mudanças de projeto e derrapagem de 300 por cento”, Carvalho disse que isto “é um sinal muito grave para o estado da democracia cabo-verdiana”.

“Neste momento, para nós, isto representa uma grande preocupação. O Tribunal de Contas agora associa-se a outros órgãos da República, para em conjunto, em simultâneos, de uma forma combinada, atacarem a Câmara Municipal da Praia”, observou Francisco Carvalho.

Outro sim, manifestou a sua indignação, por entender que passaram 12 anos sem uma única inspeção à CMP, mas que de referente a autarquia da capital já vai na quarta inspeção (durante a sua gestão).

O Tribunal de Contas, disse, juntou-se a outras instituições – a Inspeção-geral das Finanças, Autoridades Responsável pelas Aquisições Públicas e o do Ministério da Coesão territorial, para “atacar uma Câmara que também foi eleita em democracia”, razão pela qual manifestou a sua preocupação pelo “silêncio conivente dos fazedores de opinião, intelectuais, académicos e da comunicação social”.

“O que está em causa é a própria democracia, é a recusa, por parte do Governo, por parte do MpD, este movimento associativo de instituições da República para atacarem uma Câmara Municipal. Isto é extremamente grave”, lamentou.

O presidente do Tribunal de Contas, João da Cruz Silva, esclareceu hoje que não compete à Câmara Municipal da Praia pedir auditoria ao processo de construção do mercado do Coco, mas sim apenas ao parlamento.

Inforpress

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest