Governação da Internet: ARME está a apostar na literacia digital no ensino 

O campus da Universidade de Santiago no concelho de Santa Catarina recebeu esta terça-feira, dia 18, o IV Fórum da Governação da Internet Cabo Verde para debater e analisar as políticas públicas da era digital.

A presidente do Conselho de Administração da Agência Reguladora Multissectorial da Economia (ARME), Leonilde Santos, afirmou que estão a apostar na literacia digital junto dos mais jovens para alertar os alunos das políticas públicas para uma boa governação da Internet em Cabo Verde. A presidente falava durante o IV Fórum da Governação da Internet Cabo Verde que foi realizado nesta terça- feira, 18, na Universidade de Santiago no concelho de Santa Catarina.

Durante a conferência de imprensa, Leonilde Santos avançou que o lema “Construindo o Nosso Futuro Digital multistakeholder- Djunta mon” reflete o objetivo traçado para este ano que é ter um mundo cada vez mais digital num “djunta mon” mais aplicado com recomendações de todas as entidades presentes no fórum.

“Estamos a apostar muito na literacia digital nas escolas e ter os alunos presentes neste fórum é muito importante porque iremos alertá-los das recomendações em termos das políticas públicas sobre a boa governação da Internet para o país”, adiantou Leonilde Santos.

Debates sobre tecnologia e Internet em Cabo Verde

O IV Fórum da Governação da Internet em Cabo Verde contou com quatro painéis tendo como o primeiro tema a Literacia, Inclusão Digital e Acesso, onde foi abordada a capacidade de se usar as tecnologias e a Internet de forma segura e eficiente, bem como estratégias para que a sociedade geral esteja incluída no mundo digital.

Em entrevista ao Balai, a professora da Universidade de Santiago, Lucilene Gomes, que foi uma das oradoras do primeiro painel, avançou que estão a promover e a apostar no ensino digital mas que exige muita construção de ideias em volta do objetivo da internet para os alunos e a sociedade civil para usar esta ferramenta de forma eficiente e segura.

“O nosso objetivo é fazê-los perceber qual é a sua utilidade no dia a dia. Na Universidade de Santiago trabalhamos muito com o digital e acabamos por levar os alunos para o mundo online. Somos uma universidade onde tudo acontece no universo digital em que trabalhamos só com plataformas digitais e os alunos são instruídos desde o primeiro momento a adotar estas ferramentas em prol das suas necessidades”, adiantou Lucilene Gomes.

A mesma fonte explicou ainda que a literacia digital é um dos temas mais importante da atualidade porque cada vez mais o país está a dar passos largos para criar uma sociedade digital. “Mas ainda não alcançamos o nosso objetivo” em que justificou que uma boa parte da sociedade ainda não está incluída. “Devemos criar uma imagem positiva sobre a cultura digital e o uso das ferramentas online para a população em geral, com o objetivo de fazer todos entenderem os benefícios da Internet em diversos ângulos”.

Criatividade, Diversidade Cultural e Expressão no Universo Digital foi o tema do segundo painel do fórum que serviu para debater o uso das tecnologias para criar e compartilhar diferentes conteúdos inovadores. Este tema também abriu espaço para debater o pluralismo e a diversidade de conteúdos, a literacia mediática e conceitos como o “jornalismo cidadão”.

Já Mysleidy d´Oliveira, técnica na Direção de Segurança e Compliance do Núcleo Operacional da Sociedade de Informação (NOSI), que foi oradora do terceiro painel do fórum sobre Cibersegurança e Privacidade explicou que o foco da sua intervenção é fazer uma sensibilização e mostrar aos utilizadores da Internet como que podem proteger os seus dados dos perigos e ameaças quando estão conectados na rede.

A técnica da NOSI explicou que Cabo Verde está a preparar-se para combater os desafios da Internet e que a NOSI tem estado a focar-se no treinamento. “A NOSI está constantemente a formar e a treinar jovens nesta área para procurar soluções para que Cabo Verde continue na salvaguarda da segurança dos utilizadores na Internet e para que continue a ser uma Nação digitalizada”.

Mysleidy d´Oliveira assegurou que Cabo Verde tem hoje plataformas digitais seguras, mas que devido ao avanço da tecnologia o país enfrenta ataques cibernéticos mais sofisticados e que estão a tentar combater. “A NOSI está ciente e otimista que temos muito trabalho pela frente e que vamos conseguir combater com a maioria destas ameaças.”

O último painel do evento contou com um debate sobre a Inteligência Artificial e Ética em que os oradores compartilharam os benefícios e as consequências desta nova ferramenta no quotidiano.

De acordo com a presidente do Conselho de Administração da ARME, Leonilde Santos, em setembro Cabo Verde acolhe o II Fórum Lusófono da Governação da Internet com todos os países portugueses que acontece nos dias 11 e 12 de setembro na cidade da Praia. “Neste momento estamos a organizar os temas para serem debatidos e a logística do evento”.

O IV Fórum de Governação da Internet em Cabo Verde foi promovido pela Agência Reguladora Multissectorial da Economia (ARME) juntamente com as Nações Unidas e contou com diversos oradores nacionais, universitários, sociedade civil, entre outros.

Cidália Semedo/ Estagiária

ARTIGO ATUALIZADO

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest