Governo lança linha de crédito de 300 mil contos para investimentos agro-pecuários

O Ministério da Agricultura e Ambiente e o Ministério das Finanças e do Fomento Empresarial apresentaram hoje, em Pedra Badejo, Santa Cruz (Santiago), uma linha de crédito de 300 mil contos para investimentos no sector agro-pecuário.

Trata-se, segundo o Governo, de uma linha de crédito com condições vantajosas para estimular a economia, nesta fase pós-covid-19, e é dirigida às empresas privadas nacionais e cooperativas de produção, das diversas áreas agro-pecuárias (produção transformação, indústria, distribuição e comercialização, bens e serviços).

“Estamos a falar de um momento histórico, porque estamos a trazer mais um incentivo criado pelo Estado para impulsionar o sector produtivo no domínio da agricultura (…)”, apontou o ministro da Agricultura e Ambiente, Gilberto Silva, que falava aos jornalistas após a apresentação da referida linha de crédito.

No entanto, o governante explicou que para que um agricultor/empresário agrícola possa ter acesso a este incentivo tem que estar em cooperativa ou criar sua própria empresa, para depois submeter o seu projeto para financiamento junto da banca.

De entre as vantagens desta iniciativa, lançada em parceria com os bancos comerciais do País, o ministro apontou a taxa de juros de até 3,5 por cento (%), garantias de financiamento da Pró-Garante de até 80 %, comparticipação/subsídio do Governo de 10 % a fundo perdido, período de carência de capital e juros mínimo de seis meses.

Montante máximo de crédito por empresa de 10 mil contos, prazo máximo de reembolso/amortização de 10 anos, participação da Pró-Capital de até 15 % são outras características e modalidade de financiamento.

Por tudo isso, classificou como “algo extraordinário” para o sector agrário e um grande impulso e incentivo para o mesmo.

Na ocasião, o governante esclareceu que esta linha de crédito, elaborado no âmbito do Plano de Retoma Económica, é um incentivo e não apoio, que se destina a qualquer pessoa com condições de elegibilidade e visa combater o “assistencialismo”.

Questionado sobre a possibilidade de esta linha poder ultrapassar o montante previsto, Gilberto Silva confirmou esta possibilidade, explicando que tudo vai, no entanto, depender da sua operacionalização e da responsabilidade dos credores, referindo-se ao pagamento do crédito.

O evento realizado no Salão Nobre dos Paços do Concelho de Santa Cruz, em Pedra Badejo, contou com as presenças dos agricultores, dos autarcas da região Santiago Norte, do vice-primeiro-ministro, Olavo Correia, e de outros membros do Governo.

Inforpress

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest