Governo quer estabelecer dado Cultura para avaliar o contributo do sector no PIB nacional

O Ministro da Cultura e das Indústrias Criativas, Abraão Vicente, destacou hoje, na Praia, a importância de criar um dado específico sobre cultura, visando avaliar o verdadeiro contributo do sector para o Produto Interno Bruto (PIB) nacional.

Abraão Vicente falava aos jornalistas no acto de assinatura do protocolo entre o Ministério da Cultura e das Indústrias Criativas (MCIC) e a recém-criada Fundação Cabo Verde Music Awards (CVMA).

Abraão Vicente ressaltou a necessidade premente de uma avaliação mais precisa do impacto económico da cultura no país. A criação deste dado cultural permitirá uma análise mais detalhada do papel desempenhado pelo sector cultural no desenvolvimento económico de Cabo Verde.

De acordo com o governante, o MCIC está, actualmente, a preparar o pedido de financiamento para um estudo que visa analisar a contribuição dos festivais culturais em Cabo Verde. O país abriga um total de 22 festivais, um em cada município, além dos eventos temáticos que surgem ao longo do ano.

“Nós acreditamos que, para além da música, os próprios festivais de teatro e toda dinâmica cultural criada à volta dos eventos culturais representa um peso significativo, contudo o que nós vimos na segmentação dos dados de Instituto Nacional de Estatísticas (INE), quase todo esse contributo é atribuído ao turismo e não à cultura, então precisamos criar, dentro da validação dos dados nacionais no INE, um dado cultura”, afiançou Abraão Vicente.

A cultura, segundo o ministro, tem sido negligenciada devido à insensibilidade de décadas em Cabo Verde, onde não é considerada uma profissão. Nesse sentido, está sendo finalizado, após um período de socialização com os artistas, a aprovação do estatuto dos artistas, perspectivando que este processo esteja concluído e agendado no parlamento para discussão e aprovação.

“Queremos que o sector da cultura se configure com um sector consensual em Cabo Verde, mas ainda falta que nós tenhamos os números certos sobre o contributo da Cultura e evidente que o é, mas eu creio que é fundamental termos os dados mais específicos”, sustentou Abraão Vicente.

Lembrou ainda que a criação do Ministério da Cultura e das Indústrias Criativas partiu do pressuposto fundamental de que a cultura deveria ser contabilizada para o PIB nacional. Nesse sentido, o Estado realizou um trabalho crucial ao consolidar o quadro legislativo relacionado à cultura, incluindo não apenas a captação, mas também a distribuição dos direitos autorais.

Contudo, conforme Abraão Vicente, neste momento, o país enfrenta “uma grande dificuldade” em integrar a monetização dos conteúdos produzidos em Cabo Verde nas grandes plataformas digitais. Isso inclui não apenas conteúdo musical, mas também podcasts, filmes curtos, sketches de comédia e outras produções nacionais.

“A justificação das grandes plataformas é que Cabo Verde é um mercado que não justifica a sua integração, portanto nós teremos que fazer um trabalho junto do mercado da CEDEAO para resolver esta questão”, ajuntou o governante.

Inforpress

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest