Guiné-Bissau: Marcelo defende presidência lusófona da CEDEAO e espera que Sissoco valorize a CPLP

O Presidente português defendeu hoje em Bissau que é importante haver pela primeira vez uma presidência lusófona da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO), da qual Guiné-Bissau e Cabo Verde fazem parte.

 

 

Perante o seu homólogo guineense, Umaro Sissoco Embaló, que hoje o recebeu no Palácio da Presidência, Marcelo Rebelo de Sousa disse-lhe, por outro lado, que espera que valorize a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), que tem agendada para 16 e 17 julho, em Luanda, a sua próxima cimeira.


Após de ser condecorado com a medalha Amílcar Cabral, o chefe de Estado português referiu que recebeu a mesma condecoração em Cabo Verde, há uns anos, e salientou “o peso desses dois países no contexto africano, e concretamente da África Ocidental, representando uma das três famílias linguísticas da CEDEAO: ao lado da família inglesa e da família francesa, a família portuguesa”.


“E que importante é que seja possível no futuro chegar à presidência da CEDEAO alguém que resulte dessa língua, dessa linha, dessa família, uma vez que as outras famílias têm chegado com frequência a essa presidência”, afirmou.


Em seguida, Marcelo Rebelo de Sousa referiu que Cabo Verde preside atualmente à CPLP, seguindo-se a presidência angolana, e considerou que esta comunidade de países é “muito importante” em termos multilaterais.


“Do mesmo modo que Portugal tudo tem feito na medida das suas possibilidades para valorizar a CPLP, tem a certeza de que vossa excelência será na Guiné-Bissau um intérprete da mesma vontade, da mesma vontade”, acrescentou.


O Presidente português argumentou que a valorização da CPLP “é uma vontade compatível com a pertença à União Africana ou com a pertença à CEDEAO e o protagonismo na CEDEAO, como no caso português é com a pertença à União Europeia”.


Marcelo Rebelo de Sousa nunca tinha estado na Guiné-Bissau como Presidente da República. Chegou na segunda-feira à noite para uma visita oficial que termina hoje ao fim do dia – a primeira de um chefe de Estado desde 1989.


A Guiné-Bissau é um dos 15 países-membros da CEDEAO (Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental), da qual também fazem parte Cabo Verde, Senegal e a Costa do Marfim, países já visitados por Marcelo Rebelo de Sousa enquanto chefe de Estado.


Integra também a UEMOA (União Económica e Monetária do Oeste Africano), da qual igualmente faz parte a Costa do Marfim, tendo como moeda comum o Franco CFA.

 

Lusa/Fim

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest