IV Inquérito às Despesas e Receitas Familiares visa medição da pobreza e está orçado em 254 mil contos – INE

O IV Inquérito às Despesas e Receitas Familiares a ser realizado de Dezembro de 2022 a Dezembro de 2023 visando sobretudo a medição da pobreza em Cabo Verde, está orçado em 254 mil contos, informou hoje o INE.

O IV Despesas e Receitas Familiares enquadra-se nas operações estatísticas prioritárias da agenda estatística para o desenvolvimento de 2022 a 2026 e do projeto regional de Harmonização das Estatísticas em África Ocidental.

Estas informações foram avançadas pelo vice-presidente do Instituto Nacional de Estatísticas (INE), Fernando Rocha, na abertura da formação dos Agentes de Terreno do IV Inquérito às Despesas e Receitas Familiares (IV IDRF), realizada na cidade da Praia – Universidade de Jean Piaget ressalvando que a operação estatística é financiada pelo Banco Mundial e embaixada do Luxemburgo em Cabo Verde.

A formação decorrerá de 28 de Novembro a 13 de Dezembro, na Praia, para cerca de 108 agentes de terreno de todos os concelhos do País entre efectivos e suplentes e serão suportados no terreno tecnicamente por um conjunto de técnicos superiores do INE para garantir a “qualidade do inquérito”.

Para esta operação estatística, precisou Fernando Rocha, o INE estimou uma amostra de aproximadamente 7.651 alojamentos, com o objectivo de recolher, junto das famílias, informações que permitam conhecer o nível e a estrutura das despesas de consumo e das receitas das famílias cabo-verdianas e estimar a taxa de pobreza no país.

“Este inquérito está formatado para responder a cinco grandes objectivos, primeiro tem a ver com a medição da pobreza em toda a sua dimensão, absoluta, extrema e irá permitir traçar o perfil dos pobres no País”, disse, referindo às diversas crises por que passa Cabo Verde e o mundo, seca severa, pandemia de covid-19, guerra da Rússia na Ucrânia.

Daí a necessidade de recolher e produzir indicadores que irão permitir avaliar as consequências dessas sucessivas crises, sustentou aquele responsável.

Segundo objetivo relaciona-se com a produção das contas nacionais e esta irá permitir recolher informações sobre o consumo privado das famílias e permitirá, terceiramente, recolher informações que vai permitir ao INE atualizar o cabaz do consumo das famílias em Cabo Verde e consequentemente atualizar os ponderadores utilizados para o cálculo do Índice de Preço no Consumidor.

“O quarto objetivo deste inquérito tem a ver com a produção de indicadores que irá permitir atualizar ou fazer o seguimento ou monitorização dos PEDS (Plano Estratégico de Desenvolvimento Sustentável) e as agendas internacionais nomeadamente das Nações Unidas 2030 e da agenda africana 2063”, apontou Fernando Rocha.

O último objetivo, mencionou, vai ao encontro de um pedido “muito específico” do Governo que quer conhecer a problemática da proteção social em função do contexto em que Cabo Verde vive atualmente.

“Estamos a falar de uma operação muito complexa, muito exigente”, realçou, sublinhando que os agentes estarão no terreno durante um ano a seguir cada família durante 15 dias.

Por seu lado, o encarregado de Negócios da Embaixada do Luxemburgo, Thomas Barbancey destacou a importância do inquérito para o País, reiterando a “satisfação” que é para o Luxemburgo apoiar mais um inquérito chave desenvolvido pelo INE.

A representante do Banco Mundial, Eneida Fernandes, por sua vez, fez saber que esta operação é “importante” tanto para Cabo Verde como para o Banco Mundial, sendo que a retificação da pobreza extrema para Cabo Verde enquadra-se nas políticas públicas do País, uma das áreas que o banco tem apoiado o Governo.

Inforpress

 

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest