Jovem casal de Santo Antão descobre talento na cozinha e aposta na pastelaria em São Vicente

Para garantir o sustento da família, Biluilson Pires abriu mão do emprego para abraçar uma formação de aptidão profissional e a meio do caminho resolveu também apostar na venda de salgados junto com a companheira Lenisia Assunção. Juntos criaram a Koza Séb.
Foto tirada por Ângelo Pires, de 4 anos- Filho do casal

Biluilson Pires, ou Bill, como é conhecido, tem 24 anos e é natural de Alto Mira, Santo Antão, e vive em Mindelo há quatro anos, para onde foi em busca de trabalho. A companheira, Lenisia Assunção, mais conhecida por Kelly, tem 21 anos, e é natural de Porto Novo. Assim como Bill, encontra-se em São Vicente desde 2020, para onde rumou para cursar Francês.

O casal que já se conhecia desde o período do ensino secundário, ainda na ilha das montanhas, contou em entrevista ao Balai, como tudo começou e como a relação evoluiu para uma cumplicidade que tem dado frutos no negócio.

De um namoro na adolescência à parceria nos negócios

Bill e Kelly conheceram-se na altura do liceu, mas os dois apenas trocavam impressões e se distanciaram por alguns anos, quando Kelly teve de se mudar para a ilha do Sal, até que em 2018 os dois se reencontraram e passaram a trocar mensagens online. Num curto espaço de tempo a relação evoluiu e hoje contam com um filho de quatro anos e são donos de um negócio.

A caminhada do casal rumo ao auto- emprego começou em 2020, quando ambos se encontravam de férias na ilha natal e decidiram confecionar alguns lanches para venda, no sentido de conseguirem algum dinheiro extra.

A venda ambulante durante aquele período foi o impulso que o casal precisava para arriscar na produção e venda de salgados em Mindelo, uma alternativa ao sustento que precisavam após a saída de Bill do antigo emprego.

“O que motivou a minha saída foi o facto de eu e o meu chefe não conseguirmos chegar a um consenso de como poderia conciliar o trabalho com uma formação que pretendia fazer na altura. Já que a minha prioridade era a formação, escolhi sair do trabalho”, conta.

Por outro lado, Kelly que desde pequena foi estimulada pelos familiares que produziam pastéis para venda, não hesitou em embarcar na proposta de Bill e apostar na pastelaria enquanto os dois seguiam com a formação.

“Os meus colegas de turma passaram a nos dar a oportunidade de crescer e começaram a pedir algumas encomendas, de igual forma nos incentivaram com feedback positivo, o que nos deu mais certeza em ir adiante”, esclareceu Kelly.

Depois dos primeiros passos, Kelly assumiu a maior parte das produções enquanto Bill se encarregou da venda dos produtos na rua, de forma ambulante.

Criação do Koza Séb e a conquista da estabilidade financeira

Após um tempo, o casal decidiu criar uma página nas redes sociais com o nome de Koza Séb, uma ação que aumentou o leque de clientes que até hoje se mantêm fieis.

Da mesma forma em que houve mudanças na demanda, o cardápio também passou a ter mais opções, se antes produziam salgados, hoje a oferta varia e a confecção de bolos tornou-se numa das principais saídas do Koza Séb.

Quase a completar um ano de atividade, Kelly e Bill mantêm-se positivos em relação ao negócio e aos ganhos que já conseguem ter.

“Até agora estamos num bom caminho, conseguimos cobrir as nossas despesas, embora necessitemos de alguns equipamentos porque a nossa cozinha tornou-se bastante pequena, principalmente agora que estamos a expandir”, realçaram, ao mesmo tempo em que afirmam que um dos próximos passos é a formalização do negócio.

Formalização do negócio e expansão

No que se refere aos desafios enfrentados, Kelly aponta o facto de conciliar a cozinha com as responsabilidades da vida académica, uma vez que se encontra no terceiro ano do curso.

“Às vezes antes de ir às aulas costumo trabalhar para deixar tudo pronto e quando chego em casa tenho que voltar a pôr as mãos na massa, enquanto que o Bill tende a ficar mais sobrecarregado, sendo que ele além de participar de todo o processo, também cuida do nosso filho e leva-o à escolinha”, revela.

Hoje o casal trabalha com encomendas tanto para aniversários, eventos escolares e quadras festivas. Devido à demanda, Biluilson, que também desenvolveu habilidades na cozinha e com o auxílio de Kelly passou a dedicar-se à confecção dos salgados, enquanto que a companheira dedica-se aos doces.

Para o casal que hoje diz ter uma vida mais estável do que antes, quando o assunto vira os planos de ambos e para o negócio, Kelly destaca que a ideia é expandir e conquistar um espaço próprio, com perspectivas de contratar mais pessoas, dado que ao concluir a licenciatura pretende seguir carreira como professora de francês.

Já o companheiro Bill, que conseguiu concluir a formação de aptidão profissional para taxista, mantém-se mais atento às circunstâncias atuais, com o olhar na formalização do negócio e no comportamento do mercado, no sentido de ver quais as melhores decisões a tomar. Outro plano partilhado é de fazer uma formação em Pastelaria e Confeitaria para aumentar os dotes na cozinha.

Por outro lado, o jovem que arriscou abrir mão de um trabalho fixo para correr atrás de uma formação e que como forma de manter o sustento da família descobriu um caminho mais frutífero na venda de salgados, aponta a coragem de sair de um lugar considerado “estável” para onde “não havia certezas”, como “uma grande prova do que é confiar em si mesmo”.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest