Legislativas 2021: Eleições foram uma “boa prova” à democracia cabo-verdiana – Observatório Cidadania Activa

Legislativas 2021: Eleições foram uma “boa prova” à democracia cabo-verdiana – Observatório Cidadania Activa

O Observatório Cidadania Activa acredita que as eleições legislativas deste domingo foram uma “boa prova” à democracia cabo-verdiana, que sai assim “prestigiada”.

A organização não-governamental (ONG), cujo objectivo é a educação para cidadania, ressaltou o facto de as eleições para a escolha dos 72 deputados que compõe o parlamento cabo-verdiano terem decorrido de “forma ordeira e cívica”.


“Este comportamento habitual dos cabo-verdianos só engrandece a nossa democracia. Por isso, o Observatório quer, publicamente, dar os parabéns aos cabo-verdianos e, ao mesmo tempo, felicitar a todos os partidos políticos pela sua participação no pleito eleitoral”, sublinhou a ONG, em comunicado, reiterando a “boa prova” dada na democracia cabo-verdiana, que “sai assim prestigiada”.


O Observatório lamenta, no entanto, que a participação dos cabo-verdianos nesse processo eleitoral “tenha sido mais activa durante a campanha do que na hora de votar o que contribui para o aumento da taxa de abstenção”.


“A crise pandémica que o país vive teve também influência na elevada abstenção nestas eleições, visto que muitas pessoas, em quarentena, não conseguiram exercer o seu direito de voto”, sustentou.


A ONG acredita ser “positivo”, do ponto de vista democrático e cívico, a postura dos políticos que perderam as eleições e que de pronto aceitaram os resultados e felicitaram o partido vencedor.


“Mas, chamamos atenção para um ou outro aspecto menos bom: a utilização de imagem de crianças nos outdoors de campanha e da linguagem muitas vezes agressiva que os políticos utilizam para passar as suas mensagens”, criticou.


“Sem incidentes de maior”, o Observatório, como se lê no comunicado, considera que estas eleições legislativas foram “mais um bom momento da cidadania e que deve ser reforçado com a participação activa e responsável de todos na construção de um país mais próspero a todos os níveis”.


Os responsáveis aproveitaram para desejar ao novo executivo os “maiores sucessos” na condução dos destinos do país e que “tenha, sempre, a educação para a cidadania activa, consciente e responsável com um dos pilares essenciais da sua governação”.


“Passado este tempo de competição política é agora momento para unirmos esforços, sobretudo no combate à esta pandemia da covid-19 que, infelizmente, está a agravar-se. A responsabilidade de cada um de nós é grande e não podemos baixar os braços nesta luta”, concretizou.


O Observatório Cidadania Activa de Cabo Verde é uma ONG cuja missão essencial é a educação para a cidadania nas suas múltiplas vertentes e foi fundada a 16 de Março de 2019.


De acordo com os dados provisórios, disponibilizados no site oficial www.eleicoes.cv, o Movimento para a Democracia (MpD) venceu o pleito com cerca de 49% dos votos e uma maioria absoluta no parlamento.


O Partido Africano da Independência de Cabo Verde (PAICV), com 38,5% dos votos, obteve 29 deputados, estando ainda por distribuir dois deputados relativos ao círculo da Europa e Resto do Mundo.


A União Cabo-verdiana, Independente e Democrática (UCID), que concorreu também aos 13 círculos eleitorais, obtém quatro mandatos entre os 72 eleitos, aumentando o seu escore parlamentar, que era de três.


As restantes três forças políticas concorrentes nestas sétimas eleições legislativas em Cabo Verde, Partido do Trabalho e da Solidariedade (PTS), Partido Popular (PP) e Partido Social Democrático (PSD) não conseguiram eleger qualquer deputado.

 

Inforpress/Fim

 

 

 

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest