Legislativas 2021/Santo Antão: Candidatura da UCID recebida “com muita alegria” na primeira semana da campanha – cabeça-de-lista

A primeira semana da campanha eleitoral do Movimento para a Democracia (MpD) no círculo eleitoral de Santo Antão foi marcada por “um trabalho intenso, de muito diálogo com a juventude, com os agricultores e com os pescadores”.

A garantia é do cabeça-de-lista da UCID por Santo Antão, José Graça, que avançou que a sua equipa, por onde passa, tem sido recebida “com muito alegria”, já que as pessoas “estão convencidas, realmente, de que a melhor coisa que pode acontecer a Cabo Verde é ter um governo de minoria”, nestas eleições.

“Isso é uma coisa que vai acontecer, pela reacção das pessoas que têm dado muita força à UCID”, reforçou a mesma fonte.


“Acreditamos sim que a nossa mensagem está a passar e que este partido vai, desta vez, conseguir evitar as maiorias absolutas em Cabo Verde e estabelecer o equilíbrio a partir do Parlamento”, notou.


Como equilíbrio que se espera no parlamento, a partir do dia 18l, a UCID ainda segundo José Graça, estará em condições de “dar o seu contributo” ao desenvolvimento de Cabo Verde, mas também “competência e preparação” para tal.


“O que estamos a dizer às pessoas é que a UCID está preparada para exercer qualquer função que o povo achar junto. Estamos a pedir o equilíbrio no Parlamento, mas se os cabo-verdianos acharem por bem atribuir à UCID a responsabilidade de governar este País, o partido está preparado e tem competência”, sublinhou o candidato.


Mas, explicou José Graça, a UCID, mesmo não vencendo as eleições, não afasta a possibilidade de participar num “governo de coligação”, já que o partido acredita que não haverá maioria absoluta, neste pleito eleitoral.


“Um governo de coligação não está fora de questão e os partidos devem ter a abertura suficiente para encontrar as melhores soluções para o País”, explicou.


José Graça disse ter constatado ainda, ao longo desta semana, “uma total desilusão” dos santantonenses em relação “às expectativas criadas em 2016 pelo Movimento para a Democracia”, que, a seu ver, “prometeu mundos e fundos, vendeu ilusões e esperança, mas não cumpriu nada daquilo que prometeu”.


A campanha eleitoral da UCID vai continuar na próxima e última semana “na mesma linha”, passando a mensagem da “necessidade do equilíbrio de poder” em Cabo Verde.


Às legislativas do dia 18 para eleição de 72 deputados em 13 círculos eleitorais, dos quais dez no País e três na diáspora, concorrem seis partidos – PAICV, MpD, UCID, PTS, PSD e PP.


PAICV, MpD e UCID concorrem em todos os círculos, PP em seis círculos (Santiago Sul, Santiago Norte, Boa Vista e os três da diáspora), PTS também em seis círculos (São Vicente, Santiago Sul, Santiago Norte e três da diáspora), e PSD em quatro círculos (Santiago Norte, Santiago Sul, América e África).


As últimas eleições legislativas em Cabo Verde ocorreram no dia 20 de Março de 2016, tendo o Movimento para a Democracia (MpD) vencido com maioria absoluta, ao eleger 40 deputados, o PAICV 29 e a UCID três.

 

Inforpress/Fim

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest