Milhares de manifestantes contra Netanyahu exigem libertação de reféns

Dezenas de milhares de israelitas protestaram ontem, dia 22, em várias cidades do país contra o Governo do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, a quem pediram a demissão e um acordo para a libertação dos reféns da Faixa de Gaza.

As manifestações de hoje, em cidades como Telavive, Haifa, Cesareia e Jerusalém seguem-se a uma semana de protestos, com altercações violentas, cidadãos feridos e utilização de canhões de água pelas autoridades para dispersar os manifestantes.

Na rebatizada Praça da Democracia em Telavive, também palco dos protestos massivos contra a reforma judicial, os manifestantes ouviram hoje familiares dos reféns, em frente ao Ministério da Defesa.

Yifat Calderón, primo do refém Ofer Calderón, de 53 anos, questionou-se como é possível que o Governo israelita considere plausível declarar a derrota militar do Hamas nas próximas semanas, se os reféns permanecerem cativos.

“Como é que podem reivindicar a vitória quando os reféns ainda estão em seu poder (do Hamas)”, questionou Calderón, segundo os órgãos de comunicação social locais, citados pela agência noticiosa espanhola Efe.

Dani Elgarat, irmão do refém Itzik Elgarat, acusou Netanyahu de colocar em primeiro lugar a sua sobrevivência política e benefício pessoal antes das vidas dos 116 reféns capturados pelo movimento terrorista Hamas.

“Vocês escolhem sacrificar as vidas dos nossos entes queridos pela vossa sobrevivência política. Em breve, vocês vão conhecer-nos a todos, porque nos tornaremos famílias de reféns de luto”, disse Elgarat, segundo o jornal Haaretz, referindo-se à recente reunião que o primeiro-ministro manteve com algumas famílias.

No norte do país, perto da segunda residência de Netanyahu, em Cesareia, centenas de manifestantes acusaram hoje o primeiro-ministro de ser o culpado pela falta de proteção sofrida pelos cidadãos perto de Gaza e de os ter abandonado posteriormente e exigiram eleições antecipadas.

Alguns manifestantes carregavam balões com o número 20 e cartazes com o rosto do soldado Naama Levy, feito refém num posto de observação perto de Gaza, que ainda está em cativeiro e completa hoje 20 anos.

Mais de oito meses e meio depois do ataque do Hamas, a 07 de outubro passado, 116 reféns israelitas permanecem em cativeiro e, deles, os serviços de inteligência dos EUA estimam que apenas cerca de 50 estão ainda vivos, conforme revelou há poucos dias o The Wall Street Journal.

Um único acordo de trégua alcançado em novembro passado previa a libertação de 105 reféns em troca de 240 prisioneiros palestinianos.

Em 08 de junho, as forças israelitas, depois de terem recuperado sete corpos sem vida em Gaza nas últimas semanas, libertaram quatro reféns vivos numa operação de resgate que causou a morte de cerca de 270 habitantes de Gaza.

Inforpress/Lusa

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest