Netanyahu promete aos palestinianos em Rafah ‘passagem segura’ antes da ofensiva terrestre

O primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, está a prometer “passagem segura” para dezenas de milhares de palestinianos para fora da cidade de Rafah, no extremo sul de Gaza, antes de uma planeada ofensiva terrestre israelita contra militantes do Hamas; Não está claro, contudo, para onde irão os palestinos deslocados.

Netanyahu, numa entrevista transmitida domingo no programa “This Week” da ABC, reiterou a sua intenção de ordenar às tropas israelitas que ataquem quatro batalhões do Hamas em Rafah, dizendo que a vitória não pode ser alcançada sobre os militantes em Gaza sem os expulsar da cidade, na fronteira egípcia.

Com mais de metade dos 2,3 milhões de habitantes de Gaza no extremo sul do território, os críticos internacionais de Netanyahu expressaram alarme perante a perspectiva de um ataque terrestre israelita.

Aviação israelita bombardeia Rafah

Mas o líder israelita disse: “Vamos fazê-lo. Faremos isso ao mesmo tempo que proporcionamos passagem segura à população civil para que possam partir”.

Quando questionado sobre para onde iriam os palestinianos – muitos já abrigados em tendas improvisadas -, Netanyahu disse apenas que as autoridades israelitas estão a “elaborar um plano detalhado”.

Algumas autoridades mundiais estão a expressar profundas preocupações sobre o plano de guerra israelita em Rafah e a sua promessa de segurança para os palestinianos.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, disse que haveria o risco de uma “tragédia gigantesca” se as Forças de Defesa de Israel expandissem a sua ofensiva para a cidade.

“Não apoiaríamos de forma alguma o deslocamento forçado, que vai contra o direito internacional”, disse o porta-voz de Guterres a repórteres, na sexta-feira, sobre uma potencial evacuação de Rafah.

O presidente dos EUA, Joe Biden, que apoiou o direito de Israel se defender após o ataque terrorista do Hamas a 7 de Outubro, disse, na semana passada, que, no entanto, a campanha militar israelita em Gaza é “exagerada”.

Consequências

A ministra das Relações Exteriores da Alemanha, Annalena Baerbock, escreveu na plataforma de mídia social X: “O povo de Gaza não pode desaparecer no ar”, acrescentando que uma ofensiva israelita em Rafah seria uma “catástrofe humanitária em formação”.

O Ministério das Relações Exteriores da Arábia Saudita alertou, no sábado, sobre “repercussões muito sérias do ataque” a Rafah e convocou uma reunião urgente do Conselho de Segurança da ONU.

O secretário de Relações Exteriores britânico, David Cameron, disse estar “profundamente preocupado” com a possível ofensiva. “A prioridade deve ser uma pausa imediata nos combates para que a ajuda chegue e os reféns saiam”, escreveu ele no X.

EUA retaliam ataque mortal de drones contra soldados na Jordânia

Uma ofensiva terrestre israelita em Rafah também poderá ter outras repercussões.

A televisão Al-Aqsa, controlada pelo Hamas, citou um seu alto funcionário dizendo que qualquer ofensiva terrestre israelita em Rafah “explodiria” as negociações para a interrupção dos combates e a possível libertação de cerca de 100 reféns mantidos pelos militantes.

Mesmo com uma ofensiva terrestre iminente, os ataques aéreos israelitas têm como alvo Rafah. A Associated Press, citando autoridades de saúde e testemunhas oculares, informou que pelo menos 44 pessoas foram mortas no sábado – incluindo mais de uma dúzia de crianças – quando ataques aéreos atingiram várias casas na área de Rafah.

O Hamas foi designado grupo terrorista pelos Estados Unidos, Grã-Bretanha e União Europeia.

A guerra em Gaza começou com o ataque de Outubro que matou 1.200 pessoas em Israel e levou à captura de 240 reféns, cerca de 100 dos quais foram libertados num cessar-fogo de uma semana em Novembro.

Autoridades de saúde do Hamas dizem que a contra-ofensiva de Israel em Gaza matou mais de 28 mil pessoas.

Autoridades egípcias alertaram que qualquer operação terrestre em Rafah ou deslocamento em massa através da fronteira prejudicaria o tratado de paz de 40 anos com Israel. É também o principal ponto de entrada de ajuda humanitária em Gaza e os combates intensos poderão dificultar ainda mais os esforços de socorro.

O ministro dos Negócios Estrangeiros do Egipto, Sameh Shoukry, advertiu que qualquer ofensiva terrestre israelita em Rafah teria “consequências desastrosas”, alegando que Israel pretende eventualmente forçar os palestinianos a abandonar as suas terras.

A terrível situação humanitária despertou preocupações árabes e da ONU de que os palestianos possam eventualmente ser expulsos da fronteira. O Egipto enviou cerca de 40 tanques e veículos blindados de transporte de pessoal para o nordeste do Sinai, nas últimas duas semanas, como parte de uma série de medidas para reforçar a segurança na sua fronteira com Gaza, disseram duas fontes de segurança egípcias.

Túneis de Gaza

Os militares israelitas afirmam ter descoberto uma rede de túneis com centenas de metros de comprimento, que se estende parcialmente sob a sede em Gaza da Agência de Ajuda Humanitária das Nações Unidas para os Palestinianos (UNRWA).

Engenheiros do exército israelita levaram repórteres de meios de comunicação estrangeiros pelos túneis. Eles entraram num poço próximo a uma escola na periferia do complexo da ONU, descendo até o túnel revestido de betão.

Após 20 minutos de caminhada pela passagem quente, estreita e ocasionalmente sinuosa, eles estavam sob a sede da agência de ajuda humanitária, de acordo com um tenente-coronel do Exército que liderava o passeio.

Os militares disseram que o túnel tinha 700 metros de comprimento e 18 metros de profundidade e revelava salas laterais. Havia um espaço de escritório, com cofres de aço que haviam sido abertos e esvaziados. Havia um banheiro de azulejos. Uma grande câmara estava repleta de servidores de computador e outra com pilhas de baterias industriais.

“Tudo é feito daqui. Toda a energia para os túneis por onde você passou é alimentada daqui”, disse o tenente-coronel, que partilhou apenas o primeiro nome, Ido.

Ido disse que os militantes do Hamas pareciam ter evacuado quando as FDI avançavam. Ele disse que cortaram preventivamente os cabos de comunicação, que ele mostrou, que passavam pelo chão do porão da sede da agência de ajuda humanitária.

 

Israel pede a dissolução da UNRWA

Após a descoberta do túnel, o ministro das Relações Exteriores de Israel, Israel Katz, postou no X um pedido de renúncia de Philippe Lazzarini, comissário-geral da agência de ajuda humanitária.

Katz rejeitou a afirmação de Lazzarini de que não tinha conhecimento da existência do túnel como “não apenas absurda, mas também uma afronta ao bom senso”.

Num comunicado, a UNRWA disse que desocupou a sede em 12 de outubro, cinco dias após a ocorrência do ataque terrorista, e que, portanto, “não foi capaz de confirmar ou comentar” a descoberta israelita.

Este é um momento de crise interna para a agência de ajuda humanitária da ONU, que enfrenta acusações israelitas de que 12 dos seus funcionários ajudaram no ataque de Outubro.

A agência lançou uma investigação interna sobre as alegações e vários países doadores, incluindo os EUA, congelaram o seu financiamento.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest