PAICV afirma que nação cabo-verdiana tem estado a regredir em vários setores

A vice-presidente do PAICV afirmou hoje que o estado da nação cabo-verdiana está a regredir em vários sectores porque o Governo não tem uma estratégia clara de desenvolvimento e conseguido responder aos desafios que o país enfrenta.

A vice-presidente e deputada do Partido Africano da Independência de Cabo Verde (PAICV), Carla Lima, fez esta afirmação em conferência de imprensa sobre as jornadas parlamentares para a segunda sessão parlamentar deste mês e o debate sobre o Estado da Nação.

“Temos verificado que Cabo Verde vive neste momento uma situação de emergência social e económica, que o Governo não tem conseguido responder e que os resultados deste estado de coisas são visíveis a todos os cabo-verdianos, desde logo, a grave crise que se traduz em mais de 180 mil cabo-verdianos em situação de insegurança alimentar, um aumento excessivo de desemprego, perda de rendimento e de poder de compra, aumento da pobreza e pobreza extrema”, indicou.

Nos últimos tempos, prosseguiu a deputada do maior partido da oposição, o número de novos pobres tem estado a aumentar, uma vez que as pessoas que já tinham uma situação melhor e que devido às condições que o país vive neste momento regressaram ao estado de pobreza.

Segundo disse, a situação tem piorado em termos de rendimento e poder de compra, houve aumento da insegurança alimentar, salientando que o país está perante um Governo que elencou um conjunto de medidas emergenciais que não tem vindo a implementar ficando apenas pelos anúncios.

Passados três anos, reforçou Carla Lima, o Governo não conseguiu uma solução para os transportes marítimos e aéreos em Cabo Verde, o que, ao seu ver, demonstra que as políticas governamentais não têm sido assertivas.

“Nas ligações marítimas interilhas é visível o descalabro que vivemos neste momento. Em termos de ligação marítima nós não temos barcos suficientes, e é preciso lembrar aos cabo-verdianos que pagamos 300 mil contos anuais em termos de contrato de concessão de serviço público no transporte marítimo para não ter ligações”, adiantou.

Ainda de acordo com a deputada, Cabo Verde enfrenta problemas no sector da agricultura, há falta de investimentos no mundo rural, fraca mobilização de água, falta de sementes, salientando que esta situação revela que os resultados do programa de mitigação da seca não surtiram o efeito desejado.

Carla Lima acrescentou, por outro lado, que o sector da Educação enfrenta problemas graves, tendo referido que a ilha de Santiago vive uma crise energética com registo de problemas de cortes diários de energia devido à falta de investimentos.

“Um Governo que há seis anos disse que tem todas as contas feitas e soluções preparadas o que estamos a ver neste momento é uma ausência de política para resolver os problemas do país e além das três crises, há uma quarta dimensão que é a desgovernação do país que tem levado ao estado em que estamos neste momento”, declarou.

Questionada sobre as propostas que o PAICV levará ao debate que arranca esta quarta-feira, Carla Lima ressaltou que o seu partido tem estado ao longo deste ano parlamentar a apresentar várias propostas e alternativas, mas que o Governo faz questão de ignorar.

Quanto à eleição dos órgãos externos ao parlamento, disse que os partidos políticos têm estado a trabalhar em relação a esta matéria e que houve negociação entre as partes para a eleição dos referidos órgãos.

Inforpress

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest