África pode ser futuro califado do Estado Islâmico?

A ameaça do grupo extremista Estado Islâmico cresce a cada dia em África e o continente pode ser “o futuro do califado”, alertou especialista no Conselho de Segurança da ONU, onde foi mencionado o caso de Moçambique.

Martin Ewi disse esta terça-feira (09.08) que o Estado Islâmico (EI) “expandiu a sua influência além da medida” em África, com pelo menos 20 países a sentirem diretamente a atividade do grupo extremista e mais de 20 outros “a serem usados para logística e para mobilizar fundos e outros recursos”.

“Eles são agora centros regionais, que se tornaram corredores de instabilidade em África”, avaliou Ewi, que coordena um projeto transnacional sobre crime organizado no Instituto de Estudos de Segurança, na cidade sul-africana de Pretória, e que anteriormente foi responsável pelo programa de combate ao terrorismo da Comissão da União Africana.

O especialista em segurança afirmou que a Bacia do Lago Chade – que faz fronteira com Chade, Nigéria, Níger e Camarões – é a maior área de operação do grupo extremista, que determinadas áreas no Sahel são agora “ingovernáveis” e que a Somália continua a ser o “ponto quente” do EI no Corno de África.

Uma tentativa recente de assumir ou desestabilizar o Uganda falhou, mas Ewi indicou que uma afiliada do Estado Islâmico, as Forças Democráticas Aliadas, “continua a ser uma séria ameaça”.

Moçambique e Congo como “matadouros humanos”

Além disso, disse, o Estado Islâmico da África Central transformou algumas regiões do Congo e Moçambique em “matadouros humanos”, acrescentou.

O Estado Islâmico, também conhecido pelo seu acrónimo árabe Daesh, invadiu grande parte da Síria e do Iraque em 2014 e estabeleceu o chamado Califado Islâmico na região que controlava, abrangendo um terço dos dois países, brutalizando a população por anos.

O grupo foi formalmente declarado derrotado no Iraque em 2017, após uma batalha sangrenta de três anos que deixou dezenas de milhares de mortos e cidades em ruínas, mas as suas células continuam a lançar ataques em diferentes partes dos dois países.

Ewi declarou, numa reunião do Conselho de Segurança sobre o último relatório do secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), António Guterres, sobre a ameaça representada pelo Estado Islâmico, que, depois que os extremistas estabeleceram o califado na Síria e no Iraque, uma coligação internacional montou uma campanha militar para derrotar o EI.

O terrorismo foi levado para o sul na África, “mas nenhuma coligação semelhante foi montada para derrotar o Daesh em África, o que significa que o continente foi deixado para arcar com as consequências daqueles que estão a fugir da Síria e a encontrar refúgios seguros no continente”, comparou.

“Fórmula” para o sucesso em África

Ewi também apontou vários outros fatores que tornaram o Daesh “tão bem-sucedido em África”: a presença de recursos naturais que permitem que grupos como o Daesh se financiem; a pobreza e a falta de vontade política para lidar com a questão palestiniana, que são as principais fontes de “radicalização” para muitos jovens africanos; e a capacidade do Daesh de trabalhar com outros grupos terroristas e criminosos no continente.

O especialista também citou a ausência de novas iniciativas em África para combater o terrorismo e a “abordagem avestruz” – ou seja, a recusa de encarar a realidade ou reconhecer a verdade – de muitos países que ignoraram os alertas precoces de ameaças terroristas.

“A comunidade internacional é então chamada a ajudar no momento em que a ameaça está fora de controlo”, disse Ewi. “Estamos a ver esse fenómeno a ocorrer em Benim e Togo, que são os últimos países costeiros da África a sofrer ataques concentrados do Daesh e outros grupos terroristas”, indicou.

Martin Ewi acrescentou ainda que este mesmo fenómeno foi visto anteriormente em Moçambique quando o terrorismo eclodiu, e também na Nigéria, Camarões e muitos outros países “onde a ameaça foi mal diagnosticada e as respostas também

Estratégia para derrotar os extremistas

Para derrotar o Daesh em África, disse Ewi, “a estratégia deve transcender o grupo e incluir as suas alianças com a Al-Qaeda e outros grupos criminosos, incluindo bandidos, pastores, gangues e vários grupos de crime organizado”.

O especialista instou o Conselho de Segurança da ONU a mobilizar equipamentos e fundos para reforçar as muitas operações de apoio à paz em diferentes regiões e garantir que as sanções a grupos e indivíduos sejam aplicadas.

O chefe de contraterrorismo da ONU, Vladimir Voronkov, também alertou o Conselho de Segurança de que a ameaça do Daesh vem aumentando desde o início da pandemia de covid-19, no início de 2020.

Voronkov disse que a fronteira entre o Iraque e a Síria “continua altamente vulnerável, com até 10 mil combatentes do EI a operar na área”.

“A partir daí, o grupo lançou em abril uma campanha global de atividade operacional aprimorada para vingar líderes seniores mortos em operações de contraterrorismo”, informou.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest