Alemanha vai enviar tanques para a Ucrânia – imprensa

Berlim decidiu entregar tanques de batalha Leopard à Ucrânia, avançam vários meios de comunicação alemães. Deverá também autorizar a reexportação dos Leopard.

Berlim terá cedido à pressão dos parceiros e vai fornecer à Ucrânia tanques Leopard para combater as forças russas, avançaram esta terça-feira (24.01) vários meios de comunicação alemães, incluindo a revista Spiegel e a agência de notícias dpa.

A decisão já foi saudada por vários políticos, inclusive dos Verdes e liberais, do FDP, partidos que integram a coligação governamental. No entanto, o Governo ainda não confirmou a informação.

Segundo a imprensa, Berlim também vai autorizar que países como a Polónia e a Finlândia reexportem os tanques de fabrico alemão para a Ucrânia, revelaram fontes próximas do Governo.

Anteriormente, um porta-voz do Executivo federal confirmou apenas a receção de um pedido da Polónia para enviar tanques Leopard para Kiev. Os contratos estipulam que a Alemanha deve autorizar todas as exportações para países terceiros.

Medo de enviar tanques?

O chanceler alemão, Olaf Scholz, resistiu durante meses contra o coro internacional que o incitava a enviar os tanques para Kiev – não só do Presidente ucraniano Volodymyr Zelensky, mas também de aliados da NATO e membros do seu próprio Governo de coligação.

Zelensky adotou uma linha especialmente dura, dizendo que a hesitação de Berlim estava a custar vidas ucranianas.

O primeiro-ministro polaco, Mateusz Morawiecki, apelou esta terça-feira à Alemanha que desse uma resposta urgente ao seu pedido de fornecimento de tanques à Ucrânia.

“Espero que esta resposta da Alemanha venha mais depressa, porque a Alemanha está a atrasar, está a ser vaga e a agir de uma forma difícil de compreender”, comentou Morawiecki.

“Vemos claramente que não querem ajudar a Ucrânia, que se está a defender. Significa medo? Ou uma apreensão incompreensível? Ou que acredita que é possível voltar a ter relações normais com a Rússia?”, acrescentou.

“Apontar o dedo não é solução”

A chefe da diplomacia alemã, Annalena Baerbock, alertou, no entanto, que apontar o dedo aos parceiros não é solução.

“Sim, temos de fazer mais na defesa da Ucrânia; sim, temos de fazer mais na questão dos tanques. Mas o mais importante, e o crucial, é que o façamos em conjunto e que não entremos numa troca de acusações na Europa, porque estamos a combater numa guerra contra a Rússia e não contra nós próprios.”

A Alemanha é um dos maiores fornecedores de armas da Ucrânia. Mas existe algum ceticismo na sociedade alemã quanto ao envio de tanques Leopard – muitos cidadãos temem o agravamento do conflito e que a Alemanha seja arrastada para a guerra.

O chanceler Olaf Scholz argumentou também que o envio de tanques deveria ser feito em sintonia com os Estados Unidos. Esta terça-feira, a imprensa norte-americana noticiou que a administração do Presidente Joe Biden está prestes a aprovar a entrega à Ucrânia de tanques M1 Abrams.

O porta-voz do Departamento de Defesa norte-americano, Pat Ryder, afirmou, no entanto, que, “de momento”, os EUA não têm qualquer anúncio para fazer sobre as notícias do envio dos Abrams”.

Na semana passada, o ex-Presidente russo, Dmitri Medvedev, alertou o Ocidente contra o envio de tanques para a Ucrânia, evocando a possibilidade de uma “guerra nuclear”.

Quem mais deverá enviar tanques?

Entre os 14 Estados europeus que têm tanques Leopard, apenas a Finlândia e a Polónia manifestaram, até agora, publicamente a sua vontade de os entregar à Ucrânia.

Nenhum tanque pesado de concepção ocidental foi entregue à Ucrânia para combate defensivo contra as forças russas. Mas o Reino Unido comprometeu-se a entregar 14 tanques Challenger.

Até agora, a Ucrânia recebeu apenas tanques de fabrico soviético que constavam do inventário dos países da NATO no leste europeu.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest

Deixe um comentário

Follow Us