Comunidade internacional pede “contenção” no Médio Oriente

Continuam as reações internacionais ao ataque levado a cabo pelo Irão contra Israel no fim de semana e que provocou ferimentos graves a uma pessoa.

Países de todo o mundo têm apelado à contenção entre as partes.Numa reunião de emergência do Conselho de Segurança da ONU, realizada na noite de domingo (14.04), o secretário-geral da organização, António Guterres, disse que é “hora de recuar”.

“O Médio Oriente está à beira do abismo. A população enfrenta o perigo real de um conflito devastador em grande escala. Chegou o momento de desanuviar e reduzir a escalada. É tempo de máxima contenção”.

Apesar do apelo de Guterres, o embaixador de Israel na ONU, Gilad Erdan, defendeu que o seu país tem o direito de retaliação.

“Este ataque ultrapassou todas as linhas vermelhas e Israel reserva-se o direito legal de responder. Não somos o sapo na água a ferver: somos uma nação de leões”.

Já o embaixador iraniano, Amir Saeid Iravani, disse que, face ao ataque contra o consulado iraniano em Damasco, a 1 de abril, Teerão “não teve outra escolha senão exercer o seu direito à autodefesa”.

“Apelámos ao Conselho de Segurança [da ONU] para que condenasse o [ataque]. Lamentavelmente, o Conselho de Segurança falhou no seu dever de manter a paz e a segurança internacionais”.

Os avisos de Teerão

Também em declarações este domingo, o ministro dos Negócios Estrangeiros do Irão avisou que, caso as bases militares norte-americanas no Médio Oriente sejam usadas para “defender e apoiar” Israel, Teerão vai atacá-las.

A Casa Branca, por seu lado, excluiu já qualquer participação dos Estados Unidos numa eventual retaliação israelita contra o Irão.

Nas últimas horas, a União Europeia, assim como vários Governos, entre os quais, os de Cabo Verde e do Egito, apelaram à “contenção” das partes para evitar uma escalada de violência na região do Médio Oriente.

Também em declarações, este domingo, a ministra dos Negócios de Estrangeiros da Alemanha, Annalena Baerbock, acusou o Irão de “conscientemente” ter colocado a região do Médio Oriente “à beira do precipício”, ao disparar centenas de foguetes, drones e mísseis contra Israel.

O ataque de sábado de Teerão a Israel, reivindicado pela Guarda Revolucionária Iraniana, foi realizado com cerca de 300 drones e mísseis, a grande maioria dos quais foi intercetada fora do espaço aéreo israelita.

Irão reabre aeroportos

A autoridade de Aviação Civil do Irão reabriu hoje os aeroportos, incluindo os dois de Teerão, encerrados no dia anterior, na sequência dos ataques contra Israel. “Os voos no aeroporto Imã Khomeini voltaram ao normal”, anunciou o departamento de relações públicas.

Ebrahim Moradi, membro do conselho de administração do aeroporto internacional de Mehrabad, disse que todas as restrições de voo neste aeroporto, em Teerão, foram levantadas e os voos retomados.

No domingo, o Irão anunciou o cancelamento dos voos nos dois aeroportos da capital e nas cidades de Isfahan (centro), Shiraz (sul) e Bushehr (sul), bem como em vários outros no oeste do país, na sequência do ataque com mísseis contra Israel.

O exército israelita tamém anunciou hoje a reabertura, na maior parte do país, de escolas que tinham sido fechadas no sábado por razões de segurança face às ameaças do Irão, anunciou fonte oficial.

Depois de avaliar a situação, “foi decidido retomar as atividades educativas em todo o país” a partir de segunda-feira, sujeitas, no entanto, a “restrições” na zona fronteiriça com o Líbano e em localidades próximas da Faixa de Gaza, disse o porta-voz do exército, Daniel Hagari.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest