Eleições em Angola: “A juventude está cada vez mais mobilizada”

Os cantores Bonga e Aline Frazão, embora de gerações diferentes, afirmam que a alternância é possível com as eleições gerais de 24 de agosto em Angola. “Há muito tempo vimos falando de mudança”, lembra Bonga à DW África.

José Adelino Barceló de Carvalho – Bonga, de nome artístico – reafirma, em entrevista à DW, que sempre defendeu a mudança política em Angola.

“Tem gente com memória curta que se esquece que de há muito tempo vimos falando de mudança. Não faz sentido nenhum um partido político, que faz o ’27 de maio de 1977′ e uma chacina com 80 mil mortos, continuar no poder! Estamos a brincar com isso. Então, onde é que estão os humanistas? Este é o sentimento dos angolanos em geral”, diz o cantor angolano radicado em Portugal.

Aumentou a pobreza e a miséria, faltam escolas, há tristeza no olhar dos mais desfavorecidos – acrescenta o músico.

“Tem gente com 12º ano que está a sair de Angola a correr para ir para outros países para vir ser criado ou servente na Europa; a trabalhar na construção civil, a carregar blocos de tijolo. Esta é a grande realidade. Porque é que a gente fica agora numa de tapar o sol com a peneira e a receber as benesses daquele que explorou, que roubou e que quer continuar a lá estar?”, questiona.

“Uma política que não serviu os angolanos”

Bonga Kwenda lança avisos também à comunidade estrangeira, que deveria ajudar Angola a afirmar-se como país democrático, porque, na visão do cantor, “nenhum país democrata” vai “dar caução ao seguimento de uma política que não serviu os angolanos”.

Bonga, já com 50 anos de carreira musical, reconhece que o próximo Presidente de Angola tem sérios desafios pela frente para não iludir as expetativas dos angolanos. “É um dos desafios de qualquer angolano que se preze e, pelas palavras que se está a ouvir hoje da campanha eleitoral da oposição de Adalberto da Costa Júnior, é neste sentido que as coisas se vão encaminhar. E já não era sem tempo”.

Mas, antes quer eleições livres e transparentes e pede firmeza da comunidade internacional contra eventuais fraudes.

Reflexão sobre os últimos anos

À DW cantora Aline Frazão diz que este ano eleitoral obriga a uma paragem necessária para reflexão sobre “as coisas” que os angolanos “gostariam de ver diferentes no país”.

“Ao analisar os discursos dos vários partidos, ao fazer um ponto de reflexão em relação aos últimos cinco anos [após] as últimas eleições, acho que é sempre um bom momento para ensaiarmos uma democracia. Digo ‘ensaiarmos’ porque acho que Angola ainda está muito longe de ser uma democracia real”, afirma.

A cantora angolana, com quem a DW falou na qualidade também de ativista, sempre se bateu contra as desigualdades em Angola. Defensora da liberdade e da democracia, Aline Frazão sempre desejou ver as mudanças acontecerem no país. E, na sua perspetiva, as próximas eleições gerais, independentemente dos resultados, vislumbram isso.

“Não vou entrar aqui em especulações sobre se há fraude ou se não há fraudes; não é um debate que me interesse particularmente. Acho que é um momento em que é muito evidente a pressão que o MPLA está a sofrer. É muito evidente que a juventude está cada vez mais mobilizada para a mudança. Isso já foi notável nas últimas eleições em Luanda e acho que agora se sente o ambiente. Acho que esse é o caminho natural das coisas”, defende Frazão.

Um futuro melhor para os angolanos

No seu novo single com o tema “Ti Zuela – Estou Falar Só…”, em fase de promoção pela Europa, Bonga reafirma a sua postura de músico de intervenção, atento e crítico em relação ao que está mal na sociedade angolana.

“São recados importantes para se melhorar, na medida em que eu não vivo em Angola mas tenho essa vivência dos primeiros 23 anos de vida intensivos no tempo colonial. E as coisas, no sentido da vivência de uns com os outros africanos [angolanos em concreto] não mudaram pela positiva. Pelo contrário; porque tivemos guerras, porque tivemos chacinas, porque tivemos um ’27 de maio de 1977′, porque tivemos contradições imensas”, lembra o músico.

Por seu lado, convicta no sucesso do seu novo álbum de originais (“Uma Música Angolana”), Aline Frazão também acredita num futuro melhor para os angolanos.

“Quero continuar a achar que Angola é um país, dentro do continente africano, com muitas possibilidades económicas, com muitas possibilidades de melhor distribuir a riqueza no país. Eu acho que cabe a mim, a todos nós cidadãos angolanos, entendermos a nossa responsabilidade, individual e coletivamente, a nível da sociedade civil, das várias associações, em relação a este momento de voto, e termos bem a consciência do valor que isso tem, não só em ano eleitoral, mas de um modo geral”, conclui.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest

Deixe um comentário

Follow Us