Etiópia: Primeiro-ministro na frente de batalha contra separatistas

Primeiro-ministro da Etiópia, Abiy Ahmed, passou a liderar o exército na guerra contra os separatistas de Tigray, que dura há mais de um ano, anunciou esta quarta-feira (24.11) o porta-voz do Governo. Ahmed já tem apoio.

“A mudança do primeiro-ministro para a linha da frente é uma decisão clara e exemplar de um verdadeiro líder. Não há nada mais etíope. Os etíopes devem seguir o primeiro-ministro e marchar para salvar o país”, anunciou Legesse Tulu, numa conferência de imprensa na capital, Adis Abeba.

O vice-primeiro-ministro e ministro dos Negócios Estrangeiros, Demeke Mekonnen Hassen, vai tratar dos assuntos de rotina do Governo durante a ausência de Abiy da capital, explicou Tulu.

De acordo com o porta-voz, “outros altos funcionários governamentais também aceitaram o apelo do primeiro-ministro e irão para as frentes de guerra”, enquanto “os líderes que permanecerem concentrar-se-ão no seu trabalho regular”.

O vencedor do Prémio Nobel da Paz de 2019 prometeu, segunda-feira (22.11), que iria lutar no campo de batalha contra os rebeldes de Tigray a partir de terça-feira porque o país “precisa de fazer sacrifícios” neste momento.

O primeiro-ministro exortou “todos os cidadãos” a defender o país e “confrontar o inimigo” no campo de batalha.

“É uma luta que determina se vivemos ou não. Mas venceremos definitivamente. É impensável que a Etiópia seja derrotada”, acrescentou Abiy.

E chegam as respostas ao apelo

O apelo do chefe do Governo entusiasmou personalidades etíopes como o lendário ex-atleta Haile Gebrselassie, duas vezes campeão olímpico dos 10.000 metros, que disse aos meios de comunicação estatais, terça-feira, que fará tudo o que estiver ao seu alcance para ajudar o seu país, “incluindo ir lutar”.

A atleta Feyisa Lilesa, medalhista de prata na maratona dos Jogos Olímpicos do Rio em 2016, também disse que era a favor de ir para o campo de batalha.

Abiy assumiu esta posição depois das forças da Frente de Libertação do Povo de Tigray (TPLF) terem conquistado, no fim de semana, a cidade de Shewa Robit na vizinha região de Amhara, a cerca de 220 quilómetros de Adis Abeba, sede da União Africana (UA), entre outros organismos internacionais.

A guerra eclodiu a 4 de novembro de 2020, quando Abiy ordenou uma ofensiva contra a TPLF, em retaliação a um ataque a uma base militar federal e na sequência de uma escalada de tensões políticas.

Até agora, segundo as Nações Unidas, milhares de pessoas foram mortas e registam-se cerca de dois milhões de deslocados em Tigray, cujos rebeldes expandiram o conflito para as regiões vizinhas de Amhara e Afar.

A TPLF, que antes de Abiy chegar ao poder em 2018 dominou o Governo etíope, formou também uma aliança com outros grupos insurgentes, tais como o Exército de Libertação Oromo (OLA), ativo na região de Oromia, no redor de Adis Abeba.

As medidas internacionais

Os receios de que os rebeldes pudessem tomar a capital levaram a que a comunidade internacional agisse diplomaticamente, no sentido de pôr termo às hostilidades e de encontrar uma solução que conduza o país a um cessar-fogo.

O enviado especial da UA para o Corno de África, o ex-presidente nigeriano Olusegun Obasanjo, reuniu-se recentemente com os líderes de ambos os lados, mas estas conversações não deram, até agora, qualquer fruto.

O secretário de Estado norte-americano Antony Blinken avisou, na semana passada, em Nairobi, que a guerra ameaça a segurança do Corno de África, e instou as partes em conflito a voltarem ao “processo político” para resolver a disputa.

As Nações Unidas anunciaram, terça-feira /23.11), que irão retirar as famílias e familiares do seu pessoal da Etiópia devido à insegurança no país, e países como os Estados Unidos da América, Reino Unido, Alemanha e França recomendaram que os seus nacionais deixassem a Etiópia.

Estando a Etiópia no cerne das preocupações internacionais, o Programa Alimentar Mundial (PAM) anunciou, terça-feira, o lançamento de uma “grande” operação de ajuda humanitária para mais de 450.000 pessoas no norte da Etiópia, em Dessie e Kombolcha.

A resposta do PAM no norte da Etiópia precisa urgentemente de 248 milhões de euros para satisfazer as necessidades durante os próximos seis meses.

O balanço do conflito ascende a milhares de mortos, a dois milhões de pessoas deslocadas internamente e, pelo menos, 75.000 refugiados no vizinho Sudão, de acordo com números oficiais.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest