Guerra na Ucrânia: Mobilização parcial é “ato de desespero” de Putin

Chanceler alemão, Olaf Scholz, diz que mobilização anunciada por Putin é sinal de que a guerra na Ucrânia não lhe corre de feição. Nas Nações Unidas, Presidente dos EUA, Joe Biden, mandou recado ao homólogo russo.

O Presidente norte-americano, Joe Biden, diz que “não há vencedores numa guerra nuclear”. Essa é uma guerra que “não deve ser travada”, alertou Biden esta quarta-feira (21.09) durante o seu discurso na Assembleia Geral das Nações Unidas.

Joe Biden disse que “as provas de atrocidades” em valas comuns na Ucrânia são de fazer o “sangue gelar”.

A invasão russa “pretende acabar com o direito da Ucrânia a existir enquanto Estado, e o direito da Ucrânia existir enquanto povo”, afirmou.

Biden acusou Vladimir Putin de fazer “ameaças irresponsáveis”, depois do Presidente russo ter prometido usar “todos os meios disponíveis”, incluindo armas nucleares, caso a integridade territorial da Rússia seja colocada em perigo.

O Presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, disse ao jornal alemão Bild que duvida que Putin recorra ao arsenal nuclear, por temer a resposta do resto do mundo.

Putin dá tiro no pé?

Esta quarta-feira de manhã, Vladimir Putin anunciou na televisão a “mobilização parcial” das tropas russas, convocando cerca de 300 mil reservistas e ampliando por tempo indeterminado os contratos de soldados que já estão no campo de batalha, na Ucrânia.

“Repito, estamos a falar de mobilização parcial. Ou seja, apenas cidadãos que estão atualmente na reserva serão submetidos a recrutamento e, em primeiro lugar, aqueles que serviram nas Forças Armadas, possuem determinadas especialidades militares e experiência relevante.”

Para o chanceler alemão, Olaf Scholz, esta mobilização é um sinal de que a guerra na Ucrânia não está a correr de feição à Rússia.

“É um ato de desespero”, disse Scholz. “A Rússia não consegue vencer esta guerra criminosa e as decisões recentes só pioram as coisas.”

Em entrevista à DW, Domitilla Sagramoso, especialista em segurança do King’s College de Londres, diz que a mobilização parcial “custará caro” a Putin.

“Acho que resultará num agravamento da guerra, porque a pressão do Ocidente aumentará, especialmente dos Estados Unidos, para enviar mais equipamento militar e mísseis de longo alcance para a Ucrânia.”

Além disso, pode também aumentar a oposição a Putin no próprio país: “Não há muito apoio do público russo para combater nesta guerra”, afirma Sagramoso.

Depois do anúncio de Putin, esta quarta-feira, mais de 200 pessoas terão sido presas na Rússia em protestos contra a mobilização parcial, de acordo com dados divulgados pela organização de defesa dos direitos civis OVD-Info.

Entretanto, a China apelou a um cessar-fogo. Wang Wenbin, porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros chinês, esclareceu que a posição do país sobre a guerra na Ucrânia é “consistente e clara”.

“Sempre defendemos que a soberania e a integridade territorial de todos os países devem ser respeitadas. A China pede às partes relevantes que resolvam adequadamente as diferenças por meio do diálogo”, afirmou.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest

Deixe um comentário

Follow Us