Milhares protestam no Burundi em apoio ao Governo

Milhares de pessoas saíram às ruas do Burundi neste sábado numa manifestação de apoio ao Governo depois de a UE e os EUA terem retomado a ajuda à nação centro-africana, disseram os organizadores.

Bruxelas e Washington citaram ambos o progresso político sob o Presidente Evariste Ndayishimiye, pelas suas decisões de levantar as sanções ao Burundi – embora alguns grupos afirmem que os direitos humanos ainda estão a ser amplamente violados no país.

Uma figura da sociedade civil próxima do Governo, Hamza Venant Burikukiye, falando em nome dos organizadores do protesto, disse que os manifestantes queriam agradecer à UE e aos EUA pela remoção das sanções “injustas”.

“Dizem em Kirundi (a língua oficial do Burundi) que ‘uma mentira pode durar um dia mas não pode durar um ano inteiro'”, explicou. “É por isso que a comunidade internacional finalmente se apercebeu que os burundianos foram injustamente sancionados”.

Os organizadores disseram que vários milhares de pessoas apareceram na capital Bujumbura, com relatos de marchas a serem também encenadas noutras partes do país.

País mergulhado no caos

Em 2015, o Burundi mergulhou num caos, quando o então Presidente, Pierre Nkurunziza, lançou uma proposta para um terceiro mandato, apesar das preocupações sobre a legalidade de uma tal mudança.

A União Europeia (UE) e os EUA impuseram sanções pela violência que ceifou a vida a 1.200 burundianos e causou a fuga de 400 mil pessoas do país, com relatos de detenções arbitrárias, tortura, assassínios e desaparecimentos forçados.

Outrora o maior doador de ajuda ao Burundi, a UE disse na última terça-feira (08.2), que decidiu retomar o financiamento devido ao “processo político pacífico que começou com as eleições gerais de maio de 2020, e que abriu uma nova janela de esperança para a população do Burundi”.

Os EUA seguiram o exemplo na sexta-feira (11.2), com o que o Burundi disse ser um acordo de ajuda quinquenal de 400 milhões de dólares para o “desenvolvimento sustentável” no país, onde o Banco Mundial colocou a taxa de pobreza em cerca de 87%.

“Mal estar económico”

O Burundi tem estado a braços com um mal-estar económico desde a agitação de 2015, com falta de divisas e escassez de bens básicos tais como combustível, certos alimentos, materiais de construção e medicamentos.

Os grupos de direitos criticaram esta semana o levantamento das sanções internacionais, dizendo que os abusos ainda eram frequentes.

O grupo de direitos da Liga “Iteka” continuou a documentar numerosas violações, incluindo assassinatos, detenções arbitrárias e violações sexuais realizadas impunemente, de acordo com uma declaração de uma coligação de grupos da sociedade civil exilados.

“O que nos levou a sair ainda está a acontecer”, disse o presidente da Iteka, Anschaire Nikoyagize, na declaração.

Em setembro do ano passado, uma comissão de inquérito das Nações Unidas também afirmou que a situação dos direitos humanos se tinha “deteriorado” desde que Ndayishimiye tomou o poder, em meados de 2020.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest

Pode gostar também

Deixe um comentário

Follow Us