Oposição são-tomense quer esclarecimentos sobre acordo com a Rússia

O Movimento de Libertação de São Tomé e Príncipe (MLSTP/PSD) quer que o governo vá ao Parlamento esclarecer que tipo de acordo militar assinou com a Rússia. Porquê tanto secretismo, pergunta o maior partido da oposição.

O acordo militar assinado entre o Governo de São Tomé e Príncipe com a Rússia – que inclui formação e utilização de armas e equipamentos militar – está a aquecer o debate político no arquipélago. Segundo a agência de notícias oficial russa Sputnik, o acordo “por tempo indeterminado” foi assinado em São Petersburgo no dia 24 de abril e já começou a ser implementado em 5 de maio,.

Em entrevista à DW África, Raul Cardoso, deputado e porta-voz do maior partido da oposição são-tomense, critica o secretismo do Governo em torno do assunto e diz que os órgãos de soberania não foram informados.

DW África: O que é que a oposição sabe sobre o tal acordo assinado entre o Governo são-tomense e a Rússia?

Raul Cardoso: O grande problema hoje em São Tomé e Príncipe é que não conhecemos o teor do acordo. Só vimos uma versão que está a circular nas redes sociais. Mas não nos podemos fiar nesta versão e estamos a tentar conhecer o teor do acordo. O grupo parlamentar do MLSTP/PSD já deu entrada na mesa da Assembleia Nacional de com um pedido do texto do acordo, para efetivamente nos inteiramos sobre o conteúdo do acordo.

DW África: Acha que o Governo assina um acordo sem passar pelo Parlamento? A oposição acredita que existe mesmo este acordo?

RC: Nós, hoje, acreditamos que existe um acordo, porque quando o próprio Presidente da República vem dizer que teve conhecimento da assinatura do acordo, um jornalista perguntou se ele já teria falado com o primeiro-ministro. Disse que ainda não. Então, nós ficamos assim, meio confusos. O que é que o Presidente sabia e como é que passados todos esses dias, quando a questão do acordo levantou uma grande polémica, não só a nível do país, como também a nível internacional, como é que o Presidente não falou com o primeiro-ministro sobre toda esta confusão que se instalou por causa do acordo?

O nosso problema é a forma como as coisas foram feitas. Portanto, um acordo que tem vários vícios. Um dos vícios é a forma, a elaboração deste acordo. Quem são os órgãos de soberania que participaram na elaboração deste acordo? Por outro lado, porquê tanto secretismo à volta do acordo? Estamos perante uma situação de falta de transparência. E depois há outra coisa: a entrada em vigor do acordo. O acordo, segundo aquilo que se conhece, foi assinado no dia 24 de abril. Data de entrada em vigor, portanto, foi o dia 5 de maio, quando internamente os deputados da nação, nós, não conhecemos o conteúdo do acordo.

DW África: E vão pedir ao Governo para denunciar este acordo?

RC: Estamos à espera porque já solicitamos o acordo. Estamos à espera que ele nos chegue às mãos. Porque há vários aspetos do que se diz que está no acordo – eu digo que se diz, porque estamos ainda a trabalhar no campo da especulação. Diz-se que é um acordo válido por tempo indeterminado. Isto não existe. São Tomé e Príncipe não vai assinar um acordo, seja com que país for, por tempo indeterminado. Este é que é o grande problema. Essa é a nossa maior preocupação.

DW África: E como é que vê esta preocupação tanto da União Europeia, de Portugal, da NATO e até dos Estados Unidos da América?

RC: Os países que cooperam connosco na área da defesa e na e na área da segurança têm alguma razão de estar preocupados porque se o acordo existe, ele interfere na área em que esses Estados estão a cooperar connosco. Nomeadamente os Estados Unidos da América, Portugal, que tem cá uma presença de militares, o Brasil que tem também instrutores militares. Também nós temos alguma cooperação já com países membros da África Central, portanto, o nosso grande problema é certamente a preocupação em que medida não haverá uma colisão de tarefas, ou seja, de ações que podem até certo ponto pôr em causa a credibilidade do Estado São-tomense. Lamentavelmente nós já estamos habituados com este atual primeiro-ministro a situações desse género.

DW África: Mas também o primeiro-ministro disse que São Tomé é um país soberano e independente que pode assinar acordos com quem quiser.

RC: Atualmente, eu tenho as minhas reservas sobre o que é que é a soberania dos Estados. Nós estamos numa época de um novo conceito de soberania. É que há uma interdependência entre os Estados e havendo essa interdependência entre os Estados, mesmo os grandes Estados não podem vir dizer que eu tenho a minha soberania. Esta soberania sempre é relativa, tendo em conta a necessidade que eu tenho de olhar para os meus amigos e muitas vezes quero fazer algumas coisas, mas não consigo fazer porquê? Porque eu tenho de ver os interesses de cada um dos meus também.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest