RDC: Protestos contra missão de paz “podem constituir crime de guerra”, diz ONU

ONU alerta que os protestos violentos contra a MONUSCO no leste congolês “podem constituir crime de guerra” e anuncia a abertura de uma investigação. Violência já provocou mais de 20 mortes desde segunda-feira

.Na República Democrática do Congo (RDC), quatro pessoas morreram esta quarta-feira (27.07) por eletrocussão durante uma marcha em Uvira, província do Kivu do Sul, contra a presença dos “capacetes azuis” da ONU no país. Uma linha de alta tensão caiu sobre os manifestantes, quando a polícia tentava dispersar a manifestação.

As cidades daquela província tinham sido até agora poupadas aos protestos contra a missão das Nações Unidas, a MONUSCO, que eclodiram no início da semana.

Na vizinha Kivu do Norte, na terça-feira (26.07), três militares da missão e 12 manifestantes foram mortos nos protestos anti-MONUSCO, que é acusada de ineficácia perante centenas de grupos armados locais e estrangeiros ativos no leste do país há quase 30 anos.

No total , segundo o balanço divulgado pelas autoridades congolesas na quarta-feira, pelo menos 22 pessoas já morreram por causa da violência gerada pelos protestos.

ONU fala em “crime de guerra”

Os manifestantes saquearam e destruíram instalações da missão da ONU em Goma, capital provincial, e em várias cidades da região.

As Nações Unidas consideram que o ataque pode constituir um crime de guerra e anunciaram a abertura de uma investigação. O representante especial adjunto da MONUSCO, Khassim Diagne, diz que a organização fará tudo para “chegar ao fundo da questão”.

“Isto foi claramente um ato hostil contra as nossas tropas e pode constituir um crime de guerra. Agora, a situação pode ser descrita como uma fragilidade normal. Depois dos contatos com o Governo, desde segunda-feira, foram reforçadas as forças de segurança nacionais no terreno. Também reforçámos os nossos contingentes para garantir o restabelecimento da segurança”, avançou Diagne.

O secretário-geral António Guterres já “condenou firmemente” o ataque e transmitiu as suas “profundas condolências” às famílias das vítimas, identificadas como um “capacete azul” egípcio e dois polícias indianos. Guterres também lamentou a morte dos manifestantes e reiterou “o compromisso da MONUSCO em trabalhar com as autoridades da RDC para investigar estes incidentes”.

Situação no Kivu do Norte

As autoridades congolesas destacaram a polícia e o exército para proteger as instalações da MONUSCO em várias cidades e a calma parece ter regressado a Kivu do Norte – em estado de sítio há mais de um ano para fazer frente aos grupos armados.

O governador militar da província, General Ndima Constant, apelou ao fim das manifestações:

“Estamos a lidar com a situação e vamos encontrar uma solução. A MONUSCO está na RDC a convite do Governo. Os cidadãos devem falar com o Governo para que sejam tomadas as medidas apropriadas”.

Presença da MONUSCO

Presente na RDC desde 1999, a missão da ONU conta atualmente com mais de 14.000 militares de manutenção da paz e um orçamento anual de mil milhões de dólares. Tenta há mais de 20 anos fortalecer a paz no país, apesar da presença de cerca de 130 grupos armados que disputam o controlo dos vastos recursos naturais do país, como o cobre, cobalto, ouro e diamantes.

A população, no entanto, está contra a presença dos capacetes azuis no país.

“O Congo é nosso património. O Congo é para os congoleses. Desde que a MONUSCO está aqui que não faz nada. Há pessoas mortas todos os dias, temos uma missão da ONU para nos manter seguros, mas a população está a ser massacrada aos olhos dessa MONUSCO”, disse um cidadão.

“Quando eles forem embora, vamos ser nós a tomar conta de tudo. Eles dizem que não têm meios para combater o grupo rebelde M23, então vamos defendermo-nos nós próprios. Se eles não forem embora hoje, vamos protestar até que vão”, afirmou outro congolês.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest

Deixe um comentário

Follow Us