Reunião na Guiné Equatorial para analisar golpe no Gabão

Vários dirigentes africanos, incluindo João Lourenço e Patrice Trovoada, participam hoje numa reunião da Comunidade Económica dos Estados da África Central, na Guiné Equatorial, para analisar golpe de Estado no Gabão.

O primeiro-ministro são-tomense, Patrice Trovoada, será um dos presentes na reunião da Comunidade Económica dos Estados da África Central (CEEAC), na Guiné Equatorial, para analisar o golpe de estado ocorrido no Gabão, descartando intervenção militar para repor a normalidade no país africano.

Segundo Patrice Trovoada, trata-se uma “cimeira extraordinária” exclusivamente dedicada a análise da situação no Gabão depois do golpe de Estado de quarta-feira. “Veremos depois de apreciarmos de novo a situação, o desenvolvimento que houve nessas últimas horas […] como é que podemos ter uma posição que vai sempre no sentido de voltar à normalidade democrática e institucional”, disse o primeiro-ministro são-tomense no aeroporto de São Tomé.

Questionado pelos jornalistas se apoiaria uma eventual intervenção militar da CEEAC no Gabão, o chefe do Governo são-tomense afirmou que “isso não está e nunca esteve na ordem do dia” da reunião.

“São Tomé e Príncipe particularmente privilegia sempre o diálogo, a diplomacia para ver se as partes conseguem se entender para um regresso o mais rapidamente possível a normalidade democrática”, sublinhou Patrice Trovoada.

O chefe do Governo são-tomense considerou que o golpe de Estado no Gabão “aconteceu no momento da proclamação dos resultados eleitorais”, quando as instituições de caris político, nomeadamente o Presidente da República, a Assembleia e as autarquias “estavam no final do mandato”.

“O golpe aparece depois da publicação dos resultados que os militares e a oposição também consideraram que houve fraude […] é uma situação particular, temos que respeitar a expressão popular.”

O chefe do Governo são-tomense disse esperar que seja possível “encontrar as vias e os meios de diálogo, de negociação sempre pacífica” com o atual poder que se instalou no Gabão “para que mais cedo possível se volte a normalidade”.

Ali Bongo liderava CEEAC desde fevereiro

O Presidente de Angola, João Lourenço, também vai participar da reunião, devendo viajar na segunda-feira, segundo nota de imprensa enviada à Lusa.

“A reunião de alto nível da CEEAC resulta das consultas mantidas na passada quinta-feira, em Oyo, República do Congo, entre os Presidentes João Lourenço e Dennis Sassou N’Guesso [Presidente da República do Congo], em que foi assumida a necessidade da convocação de uma cimeira extraordinária da CEEAC com o objectivo de dotar a organização de uma liderança, a fim de evitar o vazio jurídico e de garantir a continuidade das suas actividades, tendo em conta os eventos ocorridos na república gabonesa”, lê-se na nota.

O Presidente deposto do Gabão, Ali Bongo, presidia a CEEAC desde fevereiro. Fazem parte da CEEAC Angola, Burundi, Camarões, República Centro-Africana, Tchad, Congo, Guiné Equatorial, Gabão, Ruanda, São Tomé e Príncipe e República Democrática do Congo.

Na semana passada, os militares tomaram o poder menos de uma hora depois do anúncio da reeleição do Presidente Ali Bongo Ondimba, alegando que os resultados das eleições presidenciais tinham sido alterados, e que o seu regime era marcado por uma “governação irresponsável e imprevisível”.

Bongo está em prisão domiciliária em Libreville desde o golpe. Sylvia Bongo, a sua mulher franco-gabonesa, também está detida em regime de incomunicabilidade, disseram os seus advogados na sexta-feira, anunciando que apresentaram uma queixa em França por detenção arbitrária.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest