Ucrânia: União Europeia endurece sanções contra Rússia e Bielorrússia

Depois do embargo às importações de petróleo e gás russo dos EUA e Reino Unido, União Europeia reforça sanções a oligarcas russos e bancos da Bielorússia. Presidente Zelensky garante que Ucrânia está aberto ao diálogo.

Após os Estados Unidos da América e o Reino Unido terem anunciado, esta terça-feira, um embargo às importações de petróleo e gás russo, que o Kremin diz ser a declaração de uma “guerra económica” contra Moscovo, a União Europeia concordou, esta quarta-feira, em reforçar as sanções “a 160 dirigentes e oligarcas russos e membros das suas famílias implicados na agressão russa contra a Ucrânia” e três bancos bielorrussos.

Segundo um comunicado da Comissão Europeia, que já veio saudar a decisão, as sanções passam a abranger 14 oligarcas e homens de negócios proeminentes, envolvidos em setores económicos que são uma importante fonte de rendimentos para Moscovo (nomeadamente indústrias metalúrgicas, agrícolas, farmacêuticas, de telecomunicações e digitais) e mais 146 membros do Conselho da Federação Russa, que ratificou decisões governamentais relativas à Ucrânia.

Atualmente, as medidas restritivas da UE aplicam-se a um total de 862 pessoas e 83 entidades.

Por outro lado, a China fez saber que irá enviar ajuda humanitária para a Ucrânia, incluindo alimentos e bens de primeira necessidade, no valor de 721.000 euros, mas que se continua a opor às sanções impostas à Rússia.

“Empunhar o bastão das sanções a toda a hora nunca trará paz e segurança, mas causará antes sérias dificuldades às economias e meios de subsistência dos países em questão”, disse o porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros Zhao Lijian disse, em conferência de imprensa.

Zhao Lijian afirmou ainda que a China e a Rússia “vão continuar a realizar uma cooperação comercial normal, incluindo o comércio de petróleo e gás, no espírito do respeito mútuo, igualdade e benefícios mútuos”.

Ucrânia aberta ao diálogo

Entretanto, em declarações, esta semana, o Presidente ucraniano afirmou já que não vai insistir na adesão da Ucrânia à NATO, uma das questões que motivaram oficialmente a invasão russa.

Num outro sinal de abertura a negociações com Moscovo, durante uma entrevista ao canal televisivo norte-americano ABC, Zelensky disse estar disponível para um “compromisso” sobre o estatuto dos territórios separatistas no leste da Ucrânia, cuja independência o Presidente russo, Vladimir Putin, reconheceu unilateralmente, pouco antes de lançar o ataque militar.

“Quanto à NATO, moderei a minha posição sobre esta questão há algum tempo, quando percebi que a NATO não estava pronta para aceitar a Ucrânia”, disse o líder ucraniano nesta entrevista.

“A Aliança tem medo de tudo o que seja controverso e de um confronto com a Rússia”, explicou Zelensky, acrescentando que não quer ser o Presidente de um “país que implora de joelhos” por uma adesão à NATO.

Por várias vezes, Putin disse que a adesão da Ucrânia à NATO constituía uma ameaça para os interesses de Moscovo, tendo exigido ao Ocidente que não expandisse a sua zona de influência militar junto das suas fronteiras.

O Presidente russo também reconheceu as duas autoproclamadas repúblicas separatistas pró-Rússia no leste da Ucrânia, exigindo agora que Kiev também as reconheça.

Questionado sobre esta exigência russa, durante a mesma entrevista televisiva, Zelensky disse estar aberto ao diálogo.

“Estou a falar de garantias de segurança. Penso que quando se trata destes territórios ocupados temporariamente (…), que só foram reconhecidos pela Rússia, (…) podemos discutir e chegar a um compromisso sobre o futuro destes territórios”, explicou o líder ucraniano.

Os ministros dos Negócios Estrangeiros da Ucrânia [Dmytro Kuleba] e da Rússia [Serguei Lavrov] vão reunir-se, esta quinta-feira (10.03), na Turquia. Um encontro que o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, deseja que permita alcançar um cessar-fogo

“Desejo que o encontro entre os ministros dos Negócios Estrangeiros da Ucrânia [Dmytro Kuleba] e da Rússia [Serguei Lavrov], que se encontram pela primeira vez desde o início da invasão russa, amanhã [quinta-feira] no Fórum Diplomático de Antalya, abra a porta a um cessar-fogo duradouro”, disse o chefe de Estado turco.

Macky Sall reunido com Putin

O chefe de Estado senegalês, Macky Sall, atual presidente da União Africana, encontrou-se, esta quarta-feira, com o seu homólogo russo, Vladimir Putin, para “procurar um cessar-fogo duradouro” na Ucrânia, anunciou o próprio na rede social Twitter.

“Regozijo-me com o meu encontro desta manhã com o Presidente Putin, na minha qualidade de presidente da União Africana, para procurar um cessar-fogo duradouro na Ucrânia”, escreveu Sall na sua conta.

“Saúdo a sua vontade de manter o diálogo para um resultado negociado do conflito”, continuou.

A União Africana tinha, numa declaração emitida em 24 de fevereiro, apelado à Rússia e a “qualquer outro ator regional ou internacional a respeitar imperativamente o direito internacional, a integridade territorial e a soberania nacional da Ucrânia”.

Chernobyl sem energia

Entretanto, o fornecimento de energia elétrica para a central nuclear de Chernobyl e para os respetivos equipamentos de segurança foi “completamente” cortado devido às ações militares russas. O anúncio foi feito pelo distribuidor de energia ucraniano, Ukrenergo, que acrescentou que, com a ofensiva russa em curso no território ucraniano, “não há possibilidade de restabelecer as linhas” de energia.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest

Deixe um comentário

Follow Us