CAPE 22 realça papel da diplomacia na mobilização de recursos para fazer face à pandemia – secretária de Estado

A primeira edição da Conferência Anual de Política Externa 2022 (CAPE 22) realçou o papel da diplomacia na mobilização de recursos para fazer face à pandemia e também para responder às reais necessidades do desenvolvimento de Cabo Verde.

Esta conclusão foi feita ontem, dia 18, pela secretária de Estado dos Negócios Estrangeiros e Cooperação, Miryan Vieira, à imprensa, momentos após a cerimónia de encerramento da I Conferência Anual de Política Externa (CAPE 22) que aconteceu sob o tema “Desafios da diplomacia cabo-verdiana face à pandemia da covid-19”, na segunda-feira e hoje na cidade da Praia.

“A CAPE 22 constitui o exercício inclusivo e muito frutífero durante o qual as diferentes instituições nacionais, de diferentes quadrantes, puderam dar a sua contribuição nesta reflexão que era necessária para a nossa política externa, sobretudo no contexto da actual pandemia que nós vivemos”, referiu.

Em suma, prosseguiu, ficou realçado o papel da diplomacia, sobretudo na mobilização de recursos necessários para fazer face à pandemia e também para responder às reais necessidades do desenvolvimento de Cabo Verde.

“Uma outra conclusão saída desta conferência é que há que reforçar a defesa do multilateralismo como uma via para continuar a enfrentar a pandemia e os desafios globais pós pandémicos”, frisou.

Miryan Vieira sublinhou ainda que, basicamente, as grandes ideias são de que há que fazer o real investimento na diplomacia, dotá-la de instrumentos estratégicos e de planeamento também da política externa, bem como também da capacitação dos quadros, tantos dos funcionários diplomáticos, dos técnicos superiores e de todos aqueles que servem o Ministério de Negócios Estrangeiros Cooperação e Integração Regional.

“Esta é uma conferência inaugural e, pelos resultados que obtivemos, que podemos considerá-los positivos, fica fincada a ideia da continuidade da realização das conferências anuais de política externa. Neste sentido que também em 2023, seguramente, teremos uma outra CAPE, ainda não definimos o tema, mas basicamente todas as questões que constam da nossa agenda da política externa serão realçadas durante as próximas conferências que se avizinham nos próximos anos”, finalizou.

Inforpress

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest