Instalação da Unidade de Cuidados Intensivos é um “marco histórico” para Cabo Verde – PCA do Hospital Agostinho Neto

O presidente do conselho de administração do Hospital Agostinho Neto (HAN), na Praia, disse hoje que a instalação da Unidade de Cuidados Intensivos (UCI) constitui um “marco histórico” para Cabo Verde por apresentar melhores condições técnicas, tecnológicas e humanas.

Imadueno Cabral teceu estas considerações durante o acto de inauguração dessa estrutura hospitalar, que tem como missão proporcionar o bem-estar à população, prestando cuidados de saúde especializados com eficiência e qualidade, bem como apoio técnico a outros hospitais e centros de saúde do país.

“Este hospital é um estabelecimento com mais de 138 anos de história e um dos mais antigos de Cabo Verde. O caminho percorrido até aqui tem sido longo e desafiador. Hoje, os desafios são outros, pois a instalação dessa unidade de cuidados intensivos é um marco histórico para Cabo Verde e a materialização do mais novo conceito da medicina que queremos para Cabo Verde”, começou por dizer.

Segundo avançou Imadueno Cabral, nas condições actuais de funcionamento, o HAN atende por ano mais de 100 mil utentes nos Serviços de Urgência, sendo que mais de 15 por cento (%) são assistidos nas unidades de cuidados especiais, em média também são ‘evacuados’ mais de centenas de pacientes.

Hoje, com a instalação da UCI, precisou, o HAN passa a disponibilizar de um espaço próprio, melhores condições técnicas, tecnológicas e humanas, uma assistência mais qualificada para reduzir os óbitos e indumentar novas valências médicas e cirúrgicas, contribuir para a redução dos doentes para o estrangeiro.

“Será mais um importante recurso e mais uma valência para os doentes cabo-verdianos, para também a comunidade internacional residente em Cabo Verde que posiciona este hospital como um dos melhores da região africana e mundial”, enfatizou o responsável.

Conforme descreveu Imadueno Cabral, a estrutura física da UCI permite conforto, privacidade, com leitos individualizados, com iluminação autónoma e aconchegante, janelas com ambientes externos à luz solar.

“Todos os leitos possuem estações móveis que descentralizam equipamentos e possibilitam maior mobilidade do paciente e da equipa assistencial”, assinalou apontando que conta igualmente com o sistema de climatização central que regula, mas também a temperatura e humidade adequadas.

Aos familiares e acompanhantes, este hospital disponibilizou uma sala de espera com conforto, mas também com garantia de presença de duas horas do pessoal de apoio por forma a lhes dar e manter informado a todo tempo do estado de saúde do seu ente querido, mencionou Imadueno Cabral.

O presidente do conselho de administração anunciou ainda que “muito brevemente” no HAN será adotado o primeiro central de dados medicinais nas estruturas de saúde de Cabo Verde, o que irá contribuir para “melhor segurança, mais sustentabilidade” para o sistema nacional de saúde, estimado numa poupança mensal para o hospital em mais de 10 mil contos.

Por seu lado, o primeiro-ministro, Ulisses Correia e Silva, asseverou que o Governo está a acrescentar serviços e de qualidade em todas as estruturas de saúde do País, sendo esta Unidade de Cuidados Intensivos mais um serviço de qualidade.

O chefe do Governo destacou as “apostas assertivas” que o HAN tem vindo a fazer nesses últimos tempos, nomeadamente a inauguração, há pouco tempo, de um conjunto de serviços, apostas na digitalização, na tecnologia e qualificação dos recursos humanos em termos de médicos, enfermeiros, técnicos, à altura daquilo que conforme considerou, são os “desafios actuais”.

“O Governo tem estado a traduzir essa importância da saúde em investimentos. Muitos foram realizados nos centros de saúde, não só na construção, mas em termos de equipamentos e serviços de qualidade (…) e de entre um dos grandes investimentos que está na fase de fecho do conselho técnico e de financiamento, o novo hospital da Praia (…)” sustentou.

Esta nova estrutura de saúde irá seguramente nascer com valências necessárias para que o País possa desenvolver com mais capacidade de prestação de serviços e reduzir os níveis de evacuação externos.

Ulisses Correia e Silva garantiu que ainda hoje deverão reunir-se para começar o fecho do dossiê técnico, um mecanismo de financiamento para dar corpo, ainda este ano, a esta “grande ambição” que é dotar o país, a partir da Praia, de um hospital de referência.
Avaliado em mais de 100 mil contos, a UCI no HAN começou a ser implementada em Abril de 2021, tendo como parceiros do Governo, o Fundo Global, CCS-SIDA, OMS, Embaixada de Portugal e a Cooperação Chinesa.

Inforpress

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest