Novo presidente do PAICV promete manter acesa a chama da liberdade e democracia

O novo presidente do PAICV, Rui Semedo, oficialmente instituído ontem, dia 10, no encerramento do XVII Congresso realizado na Praia, prometeu trabalhar para manter acesa a chama da liberdade e democracia, “num momento de grande complexidade para o país”.

Depois de receber “simbolicamente a faixa da liderança” do Partido Africano da Independência de Cabo Verde (PAICV) da líder cessante, Janira Hopffer Almada, o novel presidente do partido da “Estrela Negra” afiançou que assume o compromisso com todas as responsabilidades, mas também com a firmeza de desenvolver “o grande partido”.

Um partido inovador, presente, incorporador dos valores da modernidade, aberto à sociedade e promotor de uma cultura democrática, virado para um intenso diálogo nacional, foi o que Rui Semedo prometeu fazer da sua imagem de marca, para o melhor aproveitamento do melhor para o desenvolvimento deste arquipélago.

Isto por entender que estas estratégias irão contribuir para ultrapassar as insuficiências e transformar o debate político num recurso, também, estratégico para o desenvolvimento de Cabo Verde.

Rui Semedo definiu este congresso, como sendo “muito importante” e “um grande momento” de partilha de ideais, propostas, contribuições, sentimentos e forças, que redundou na eleição dos órgãos nacionais, baseados “num grande equilíbrio”, listas integradora, quer em termos de géneros masculino/feminino, quer em termos etários, de modo a trabalhar para a influenciação da política nacional.

Realizado sob o lema“Juntos por Cabo Verde”, o Congresso, segundo a óptica do seu novo dirigente máximo, permitiu ao PAICV tornar-se mais forte, “num momento no qual Cabo Verde está a braços com grandes desafios”, convicto de que o partido consiga atingir os objectivos preconizados na esfera do poder central e do poder autárquico.

Considerando que Cabo Verde vive momentos difíceis, agravados com desafios provocados pela crise e pela “política inadequada ao momento actual, com alta extraordinária de preços de produtos essenciais com diminuição clara no poder de compra” e agravamento do desemprego, o presidente do principal partido da oposição pediu a todos para combater os desperdícios e a insegurança interna.

Vencer a crise, relançar a economia, minimizar as dificuldades, proteger os mais vulneráveis, eliminar gastos desnecessários foram apontados por Rui Semedo como grandes reptos para que Cabo Verde vença a insegurança alimentar e energética, pela via de logística de armazenamento e aumento de produção nacional.

Tratamento igualitário a todos os cabo-verdianos para evitar o atentado à liberdade e à democracia e, a promoção do emprego, da saúde, assim como o combate às assimetrias regionais e sociais e habitação condigna foram, igualmente, referenciados por Rui Semedo como políticas assertivas, que o país carece, para o bem-estar dos seus filhos.

Rui Semedo sucedeu a Janira Hopffer Almada, que colocou o cargo à disposição na sequência dos resultados das eleições legislativas de Abril de 2021, que ditaram a vitória do Movimento para a Democracia (MpD).

 

Inforpress

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest