Obra “Prizenti pa Álma” de Adelino Barros apresentada em Lisboa

A obra “Prizenti pa Álma”, do cabo-verdiano Adelino Barros, com edição da Rosa de Porcelana Editora e US Edições, foi hoje apresentado, em Lisboa, segundo o autor, com abordagem de “questões universais”.

A apresentação, conduzida por José Luís Vaz, aconteceu nas instalações na Associação Cabo-verdiana de Lisboa (ACV) e o autor disse que o livro fala da “importância do próprio desenvolvimento humano” para o “despertar de consciência”, para além de ter “muita espiritualidade”, porque fala do domínio de emoções.

“É um livro que aborda questões universais, com base claro, no amor, como sendo aquele que nos move para alcançarmos coisas positivas e boas nas nossas vidas (…). Aborda racismo, aborda a guerra, a paz, o relacionamento com o próximo e nós mesmos, retrata questões que nos trazem reflexões para que ganhemos ferramentas e saber lidar com situações do dia-a-dia de forma diferente”, explicou à Inforpress, Adelino Barros.

Segundo o autor, é uma obra que “busca trazer clareza para formas de pensamento e que às vezes limita” o próprio desenvolvimento e sucesso das pessoas no relacionamento, tanto amoroso, como profissional, familiar e de amizade.

“Fala sobre formas diferentes de sabermos lidar com situações que contraria a nossa própria vontade e que acaba por entrar em choque com o nosso ideal”, frisou, acrescentando que nem sempre as coisas acontecem como se quer, mas que é preciso “manter-se firme e positivo”.

Para Adelino Barros, a obra “Prizenti pa Álma” tem esse nome, porque mais do que a própria poesia em si, “traz reflexões para elevação e autodesenvolvimento”, ou seja, quem realmente entender a mensagem do livro, não tomando como a “beleza da poesia”, pode “acrescentar valores importantes sobre a vida da pessoa”.

“A ideia de escrever sobre todos esses assuntos, é por causa da inquietação que vai na nossa alma, aquele
querer dar o melhor de nós para que realmente consigamos ajudar o próximo que começa com nós mesmos”, disse o autor, frisando que ele próprio passou toda a vida a tentar encontrar formas para ajudar os outros, mas que nunca achou suficiente.

Por outro lado, Adelino Barros esclareceu que um dos propósitos que o levou a optar pela poesia, foi trazer o sue contributo para a língua materna cabo-verdiana e para a oficialização do crioulo, porque “não basta só oficializar”, é preciso ter materiais para o ensino, como por exemplo a literatura cabo-verdiana.

Em relação ao lançamento em Cabo Verde, o autor afirmou que a ideia é no início de 2023 agendar uma data para esse lançamento, talvez logo no primeiro trimestre.

Adelino Barros, a residir atualmente em Portugal, é natural de Achada Baleia, concelho de São Domingos, ilha de Santiago, mas foi criado em Achada Grande, na Cidade da Praia, tendo trabalhado por vários anos como comissário de bordo dos TACV e estudado Filosofia na Universidade de Cabo Verde.

Nos últimos tempos, tem exercido como mentor na inteligência emocional, fazendo workshops e palestras em vários lugares, como em Cabo Verde e Portugal, e pretende publicar obras sobre auto-ajuda, sendo que o segundo livro de poesia em crioulo já está pronto.

Inforpress/Fim

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest

Agenda