PM afirma que a responsabilidade parental com as crianças começa na família 

O primeiro-ministro afirmou hoje, no Mindelo, que o estado deve fazer aquilo que é a sua obrigação e a sua responsabilidade com as crianças, mas reiterou que a primeira responsabilidade começa na família em casa.

Ulisses Correia e Silva falava no acto central das comemorações do Dia Internacional da Criança, 01 de Junho, no Auditório da Academia Jotamont, que teve a participação de 250 crianças e adolescentes da ilha de São Vicente.

“O Estado faz e deve fazer aquilo que é a sua obrigação, a responsabilidade, mas a primeira responsabilidade começa na família em casa. E a família ter, não só condições, mas essa obrigação de garantir que possamos ter protecção, cuidados e garantir um lar que desenvolva a felicidade para as crianças”, alertou o chefe do Governo.

No entanto, segundo Ulisses Correia e Silva, o seu Governo tem estado a implementar políticas integradas e consistentes para as crianças, que quer desenvolver cada vez mais, a começar pela educação. Um dos objectivos, adiantou, é implementar a universalização do ensino pré-escolar nos jardins infantis, através da subsidiação para que em todas as famílias possa haver acesso e frequência de crianças nos jardins infantis.

“Temos hoje gratuitidade dos ensinos básico e secundário, reforço da ação social escolar porque é na educação que nós criamos as bases para que possamos ter um futuro melhor”, revelou.
Conforme a mesma fonte, também é prioridade a atribuição do rendimento social de inclusão às famílias mais pobres que têm crianças a seu cargo, porque é “importante” que elas tenham condições de fazer com que as crianças tenham alimentação, bem-estar, acesso à saúde e às condições de uma vida condigna.

Ulisses Correia e Silva afirmou que hoje Cabo Verde tem estruturado Sistema Nacional de Cuidados para crianças particularmente, crianças e pessoas com deficiência a nível do sistema educativo, da proteão e a nível da saúde e que o Governo vai aumentar a rede de centros de emergência infantil com a criação de centros em Santo Antão, Santiago Norte e no Sal para ampliar as condições de proteger crianças de famílias ou em situação de risco.

Ulisses Correia e Silva citou ainda “os Centros de Dia para ocupação de crianças nos seus tempos livres depois da escola” e reiterou a preocupação do seu Governo em “ter uma justiça amiga da criança, promover o acesos à habitação condigna para as famílias mais pobres e uma urbanização amiga da criança”, sustentando que “hoje pelo País todo há mais condições em termos de parques infantis e de espaços de lazer para crianças porque há uma política urbana neste sentido”.

Por sua vez, o presidente da Câmara Municipal de São Vicente, Augusto Neves, defendeu que o Dia Internacional da Criança é para refletir as ações direcionadas a elas.

“Hoje é um dia de refletirmos e pensar se aquilo que transmitimos para as crianças são as melhores motivações, se aquilo que damos ou resolvemos às crianças são as melhores necessidades para elas e se aquilo que oferecemos são os melhores valores”, declarou.

Além do primeiro-ministro, participaram do evento o ministro da Família, Inclusão e Desenvolvimento Social, a secretária de Estado da Inclusão Social, o presidente da Câmara Municipal de São Vicente, o representante do UnicefF em Cabo Verde e a presidente do ICCA.

Inforpress

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest