Principal desafio é a doação voluntária suficiente, diz diretora do Banco de Sangue do HUAN

A directora do Banco de Sangue do Hospital Universitário Agostinho Neto (HUAN) disse hoje que o principal desafio da instituição é conseguir doadores voluntários suficiente, e apelou ao engajamento de todos para salvar a vida daqueles que mais precisam.

Linette Fernandes falava em entrevista à Inforpress a propósito do Dia Mundial do Doador de Sangue, que se celebra hoje, 14 de Junho, sob o lema “20 anos celebrando a generosidade: muito obrigado doadores de sangue”.

A responsável do Banco de Sangue do hospital central da Praia sublinhou que é preciso que as pessoas estejam mais sensibilizadas para atingirem a meta de ter 100% de doação voluntária e a quantidade suficiente de sangue.

“O principal desafio é a doação voluntária suficiente, porque nós ainda estamos aquém do ideal, que é entre 2% e 5% da população do país doador. Muitas vezes dependemos de doações familiares para colmatar a falta de doações voluntárias. Por isso, é preciso que as pessoas se sensibilizem por esta causa e se dirigirem voluntariamente”, exprimiu.

Desde o início do ano, segundo Linette Fernandes, o Banco de Sangue recebeu no atendimento 1.258 voluntários, sendo 817 resultaram em doações, mas enfatizou que é preciso mais doadores para reposição do estoque, para colmatar a demanda de sangue.

“No ano passado o Banco de Sangue deste hospital contou em torno de 67 a 68% de doadores voluntários e este ano continuamos a trabalhar na sensibilização para vermos se conseguimos chegar à meta 100% de doadores voluntários estabelecida pela Organização Mundial da Saúde”, disse a diretora.

Neste momento, garantiu que o Banco de Sangue tem um estoque “razoável” de sangue, porém, necessita constantemente de doadores para reposição.

“O estoque de sangue nesse hospital está razoável, tendo em conta que Junho é um mês em que temos sempre muita afluência de doadores e de instituições parceiras que fazem as doações”, salientou.

Em relação a sensibilização, Linette Fernandes disse que o papel da comunicação social é “fundamental”, apesar da divulgação que fazem nas redes sociais durante todo o ano sobre a importância da doação de sangue.

“Estamos cada vez mais a divulgar e sensibilizar as pessoas através de palestras nas universidades e noutras instituições”, reforçou.

Linette Fernandes esclareceu que o doador passa por uma triagem médica antes de doar sangue, para ver se não tem risco de ter alguma doença contagiosa que possa ser transmitida ao doente, e, depois, são feitos os testes sorológicos do HIV, hepatite B e C e sífilis.

“Temos um questionário, eles preenchem e depois vamos fazer as perguntas para ver se perceberam as perguntas e se responderam bem às questões. E então, nessa primeira parte, já vamos triar. E assim vemos se algum deles tem um determinado risco para a doação”, explicou.

Para comemorar o Dia Mundial do Doador de Sangue, o Banco de Sangue tem realizado um conjunto de atividades, desde do início deste mês, nomeadamente, torneio de futsal com os parceiros e rastreio oncológico para o cancro da próstata e da mama aos doadores.

Para culminar as atividades, a instituição vai organizar no sábado, 15 de Junho, uma marcha de sensibilização sobre esta temática.

A efeméride é comemorada com um ato central no HUAN em que serão homenageados os doadores e parceiros do Banco de Sangue.

O Dia Mundial do Doador de Sangue é uma data oficialmente designada pela Assembleia Mundial da Saúde, em 2005, para celebrar e agradecer os doadores voluntários de todo o mundo por doarem seu sangue e é um momento oportuno também para tomar medidas para alcançar o acesso universal a transfusões de sangue seguras.

Inforpress

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest