Restrospetiva – Saúde: Fim da covid-19 e início da luta dos profissionais de saúde por melhores salários marcam 2023

No ano em que o país voltou ao “normal”, após enfrentar situações difíceis com a covid-19, 2023 trouxe outras “lutas” ao sector como greve dos profissionais de saúde, que acabou suspenso, e novos casos de dengue.

Desta forma pode dizer-se que o ano 2023 encerra com novos horizontes, importantes avanços e conquistas, mas também com problemas para o sector devido aos registos de casos de dengue na ilha de Santiago e Fogo.

As boas notícias começam com o compromisso do Governo em aceitar a resolução das reivindicações dos sindicatos dos profissionais de saúde quanto à revisão da tabela salarial dos médicos e enfermeiros, e aumento das remunerações acessórias.

Nesta lógica de avanços, aponta-se o anúncio do Governo da entrada de mais de 500 novos profissionais para o sistema de saúde em 2024, sendo deste total 67 médicos.

A prevenção do cancro ganhou novos tratamentos com a imunização de mulheres até os 45 anos contra o vírus HPV até 2025, e rapazes na faixa etária dos 10 aos 14 anos.

Nessa matéria a Associação Cabo-verdiana de Luta contra Cancro (ACLCC) que vem contribuindo para melhores informações e respostas quanto a doença além de oferecer kits higiênicos aos doentes oncológicos têm realizado, no âmbito das suas competências, diagnósticos sobre cancro de mama, útero e próstata.

Cabo Verde, segundo dados provisórios, registou em 2022 cerca de 442 casos de cancro a nível nacional, sendo a mama com mais de 60 casos, o com maior incidência, seguindo-se a de próstata.

Referindo-se aos ganhos, a equipa de Cirurgia Vascular do Hospital Universitário Dr. Agostinho Neto (HUAN) realizou em 2023 a sua primeira cirurgia de endarterectomia de carótidas.

Para além de conquistas o ano foi também de mudanças a nível dos quadros de chefia, tendo a nova directora Nacional de Saúde, ao assumir a pasta, prometido “responsabilidade” e “determinação” na nova função, enquanto que o novo PCA do Hospital Dr. Agostinho Neto garantiu maior “compromisso” com a instituição.

A morte, no mês de maio, de seis recém-nascidos no Hospital Baptista de Sousa, em São Vicente, e cujo resultado do inquérito realizado indicava como causa dos óbitos uma infecção generalizada gerou contestação no país e na ilha em particular.

A Saúde Oral socializou o Plano Estratégico para 2022/2026 visando uma resposta integrada às necessidades da população, enquanto que um inquérito nacional sobre a vulnerabilidade alimentar e nutricional indicou que 10% da população cabo-verdiana sofre de desnutrição crónica e 7,4% de obesidade infantil nas crianças com menos de cinco anos.

No meio dos avanços e conquistas, a ilha do Sal foi alvo, este ano, de uma investigação para averiguar casos de shigelose anunciados pelo Centro Europeu de Prevenção e Controlo de Doenças (ECDC) devido à detecção de 258 casos em turistas.

A saúde mental vem sendo trabalhada visando melhor intervenções nas comunidades para melhores respostas, e apresentou uma taxa de 650 internamentos em 2023 devido a distúrbios mentais e de comportamento.

A preocupação, no sector da saúde, é também com a taxa de suicídio que, em Cabo Verde, esta acima da média mundial e africana, ou seja 50 actos/ano, representando um caso por semana.

Dados oficiais indicam 315 novos casos de infecção por VIH em 2023, sendo que as mulheres continuam a ser a população mais afectada, representando uma taxa de 0,7% dos 0,6% da prevalência na população no geral.

A ilha Brava após passar maus momentos em 2022 com o sector de saúde por não ter capacidades de realizar evacuações, em 2023 conseguiu ultrapassar o constrangimento com o navio da Guarda Costeira disponível 24 horas/dia no porto da Furna para transferências de doentes e emergências.

Cabo Verde em 2023 continua a implementar recomendações dos experts, no domínio do paludismo para poder obter a certificação por eliminação do paludismo em 2024.

Inforpress

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest