Brasil cancela cimeira presencial do Mercosul e substitui-a por formato virtual

Brasil, que preside temporariamente ao Mercosul, cancelou na quarta-feira a reunião presencial que os Presidentes dos países do bloco teriam em Brasília em 17 de dezembro e acrescentou que o encontro será virtual.

O Ministério brasileiro das Relações Exteriores, num comunicado enviado à agência espanhola Efe, anunciou que a cimeira do Mercosul e dos seus Estados associados, na qual participarão os chefes de estado dos países do bloco (Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai), será realizada por videoconferência no próximo dia 17 de dezembro.

A nota acrescenta que a Reunião Ordinária do Conselho do Mercado Comum, que reúne os ministros das Relações Exteriores e da Economia dos países-membros, também será realizada por videoconferência em 16 de dezembro.

Apesar de o ministério brasileiro se abster de explicar o motivo da suspensão dos encontros presenciais, fontes da tutela citadas pela imprensa local afirmaram que se trata de uma medida preventiva contra a ameaça de uma nova vaga da pandemia de covid-19 e do surgimento da variante Ómicron.

Algumas versões da imprensa também citam como motivo a inquietação gerada no Governo brasileiro com a decisão do Presidente da Argentina, Alberto Fernández, de receber na próxima sexta-feira o ex-Presidente brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva, principal rival político do atual chefe de Estado, Jair Bolsonaro,

“O ex-presidente receberá na sexta-feira o Prémio Azucena Villaflor, que o Governo da Argentina concede aos defensores dos direitos humanos”, anunciou o partido de Lula em comunicado, no qual esclareceu que a cerimónia será comandada por Fernández, que também terá um encontro com o ex-presidente brasileiro na Casa Rosada.

O executivo brasileiro havia revelado que Bolsonaro aproveitaria a cimeira do Mercosul para ter a sua primeira reunião com Fernández, agora também cancelada.

Até agora, o líder brasileiro recusou-se a se reunir com Alberto Fernández e absteve-se de participar na sua tomada de posse, devido à proximidade do argentino com Lula, seu principal rival político e que poderá enfrentar nas eleições de outubro do próximo ano.

Bolsonaro, aliado do ex-Presidente argentino Mauricio Macri, tem criticado duramente a política de esquerda de Fernández na Argentina, assim como a proximidade do Presidente e da sua vice-presidente com Lula, o que fragiliza as relações entre as duas maiores economias do Mercosul.

A situação piorou em junho, quando Fernández, num comentário pelo qual depois se desculpou, afirmou que “os brasileiros haviam surgido da selva, enquanto que os argentinos chegaram da Europa de barco”.

O encontro entre Lula e Fernández ocorre duas semanas depois de Bolsonaro qualificar como uma “provocação” o facto de o Presidente de França, Emmanuel Macron, ter recebido o ex-líder brasileiro em Paris.

“Parece que é uma provocação. Será que [Macron] e seus serviços de inteligência não sabem quem foi Lula aqui?”, disse Bolsonaro em referência aos processos de corrupção que o antigo presidente enfrenta.

Lula fez uma digressão pela Europa em novembro que o levou à Alemanha, Bélgica, França e Espanha, onde foi recebido por várias autoridades, no Parlamento Europeu, assim como por Macron e também pelo presidente do Governo espanhol, Pedro Sánchez.

Nos últimos meses, ao mesmo tempo em que a figura de Lula cresce nas sondagens para as eleições de outubro de 2022, Bolsonaro tem dedicado boa parte dos seus discursos à desqualificação do antigo chefe de Estado, que por sua vez mantém uma linha dura de críticas ao atual líder do executivo.

Lusa

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest

Deixe um comentário

Follow Us