Casa Branca anuncia cimeira EUA-África para Dezembro

O Presidente dos EUA Joe Biden anunciou hoje, quarta-feira, 20,  que dará as boas-vindas aos líderes africanos em Washington em Dezembro, uma nova iniciativa para construir laços com o continente onde a influência da China tem vindo a aumentar.

Biden disse que vai realizar uma cimeira de 13 a 15 de Dezembro  com líderes africanos para “demonstrar o compromisso duradouro dos Estados Unidos para com África”.

“A Cimeira de Líderes EUA-África basear-se-á nos nossos valores comuns para melhor fomentar um novo compromisso económico”, disse Biden numa declaração.

A reunião irá também “reforçar o compromisso dos EUA-África com a democracia e os direitos humanos” e combater a Covid-19 e futuras pandemias, bem como as alterações climáticas e a segurança alimentar, disse Biden.

A cimeira surge quando a China – identificada pela administração Biden como o principal rival dos EUA – bem como a Rússia e a Turquia aumentam acentuadamente a sua presença em África.

A chefe da ajuda externa dos EUA, Samantha Power, instou na segunda-feira a China a fazer mais para enfrentar a crise alimentar global agravada pela invasão russa da Ucrânia, uma vez que anunciou mais de mil milhões de dólares para evitar a fome no Corno de África ressequido.

A China, com a sua busca de recursos naturais e uma explosão de gastos em infraestruturas, aumentou os investimentos em África cerca de 100 vezes desde a integração da potência asiática na economia global em 2000 e tem-se reunido regularmente com líderes africanos.

Os aliados americanos França, Grã-Bretanha e Japão têm também realizado cimeiras de rotina com líderes africanos.

Biden não especificou a lista de convidados para a cimeira de África. Quando o ex-presidente Barack Obama realizou uma cimeira semelhante em 2014, convidou a grande maioria dos líderes, mas recusou incluir a República Centro-Africana, Eritreia, Sudão e Zimbabué devido a preocupações com os direitos humanos e a democracia.

A cimeira marca um regresso da atenção de alto nível dos EUA após a presidência de Donald Trump, que não fez segredo da sua falta de interesse na África subsaariana.

(AFP)

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest

Deixe um comentário

Follow Us