Eleições na África do Sul: domínio do ANC sob ameaça

A taxa de desemprego na África do Sul é uma das mais elevadas do mundo….

O partido ANC, no poder na África do Sul, lutou na quarta-feira para desafiar as expectativas de que poderia perder o seu domínio exclusivo do poder durante três décadas, enquanto os eleitores compareciam às urnas para uma eleição geral decisiva.

Mais de 27 milhões de eleitores estão registados para o escrutínio mais incerto desde que o Congresso Nacional Africano (ANC) levou a nação a sair do regime do apartheid.

Com a oposição a ser desafiada tanto pela esquerda como pela direita, o desemprego e a criminalidade a atingirem níveis quase recorde e uma nova geração a crescer sem memória da luta contra o regime de minorias brancas, o partido no poder poderá ser forçado a partilhar o poder.

Após a votação, o Presidente Cyril Ramaphosa, que está a tentar a reeleição, disse: “Não tenho qualquer dúvida no meu coração de que o povo vai mais uma vez investir confiança no ANC para continuar a liderar este país.

“O povo da África do Sul dará ao ANC uma maioria firme”.

Mas John Steenhuisen, líder do maior partido da oposição, a Aliança Democrática (DA), previu que nenhum partido ganharia uma maioria absoluta, criando uma abertura para a sua aliança de partidos mais pequenos.

Depois de votar na sua cidade natal, Durban, Steenhuisen disse que “pela primeira vez em 30 anos há uma oportunidade de mudança na África do Sul”.

Votação decorre com normalidade

Até às 13h00 (1100 GMT), seis horas após a abertura das urnas, a Comissão Eleitoral Independente afirmou que 93% das assembleias de voto tinham aberto a tempo, tendo outras aberto mais tarde.

“Houve um certo número de assembleias de voto que atrasaram a abertura devido a atrasos na entrega de materiais, atrasos nas escoltas dos serviços de segurança ou protestos de certos membros da comunidade”, afirmou.

No Soweto, a cidade natal do presidente e capital não oficial da batalha da libertação, os idosos leais ao ANC compareceram cedo mas, à medida que as filas se alongavam, havia sinais de desilusão.

Kqomotso Mtumba, uma funcionária bancária de 44 anos, disse que votou no ANC no passado, mas que agora tinha escolhido um “partido emergente” cujo manifesto a tinha impressionado.

“O último partido em que votei, as suas promessas não funcionaram, por isso vou tentar este”, disse ela.

No bairro de Alexandra, na classe trabalhadora de Joanesburgo, até os trabalhadores do sector público, como uma jovem que deu o seu nome apenas como “Keletso”, estavam frustrados.

“Preciso mesmo de ver mudanças”, disse a jovem de 34 anos.

“Precisamos de gente nova, de sangue fresco. O desemprego é mau. Para pôr pão na mesa, algumas pessoas cometem crimes, outras tornam-se prostitutas.”

A taxa de desemprego na África do Sul é uma preocupação significativa. No primeiro trimestre de 2023, foi registada em 32,9%, uma das mais elevadas do mundo.

Os eleitores escolherão os 400 membros da Assembleia Nacional que, nas próximas semanas, escolherão um presidente de entre eles.

Pela primeira vez desde o advento da democracia em 1994, o ANC poderá ser forçado a negociar uma coligação para se manter no governo.

“As eleições gerais na África do Sul são um momento decisivo na história política do país”, afirmou Aleix Montana, analista da empresa de informação sobre riscos Verisk Maplecroft.

Sob a liderança do falecido Nelson Mandela, o ANC conquistou a liberdade para os negros sul-africanos depois de décadas de apartheid e, em seguida, tirou milhões de pessoas da pobreza, criando um amplo sistema de bem-estar social.

O fim de uma era?

Muitos dos 62 milhões de sul-africanos estão fartos da elevada taxa de desemprego, da criminalidade desenfreada, dos escândalos de corrupção, dos cortes regulares de energia e da falta de água.

A economia cresceu uns escassos 0,6 por cento em 2023 e as sondagens sugerem que o ANC poderá ganhar apenas 40 por cento dos votos, contra 57 por cento em 2019.

Se o ANC obtiver menos de 201 lugares, Ramaphosa terá de negociar com os partidos da oposição e os deputados independentes para garantir uma maioria. Poderá ter de fazer escolhas difíceis.

À direita, o DA prometeu “Resgatar a África do Sul” através de uma governação limpa, da privatização e da desregulamentação, mas tem tido dificuldade em livrar-se da sua imagem de partido da minoria branca.

As sondagens colocam o apoio do DA abaixo dos 25 por cento.

À esquerda, o partido está a perder apoio para o uMkhonto weSizwe (MK), do antigo Presidente Jacob Zuma, e para o Economic Freedom Fighters (EFF), de Julius Malema, que defendem a redistribuição de terras e as nacionalizações.

As sondagens estimam que estes dois partidos estão empatados em cerca de 10 por cento.

Outrora um dos pilares do ANC, Zuma abandonou o seu antigo partido depois de ter sido forçado a sair do cargo sob uma nuvem de alegações de corrupção em 2018.

Foi impedido de se candidatar como deputado devido a uma condenação por desacato ao tribunal, mas continua a ser extremamente popular na sua província natal de KwaZulu-Natal, onde foi visto a votar, mas não falou aos jornalistas depois.

Se o ANC se aproximasse dos 50%, poderia conseguir um acordo mais fácil com algumas das dezenas de grupos mais pequenos que estão a concorrer.

Na infame prisão de segurança máxima de Pollsmoor, na Cidade do Cabo, os reclusos fizeram fila para votar.

“Toda a gente tem direito a voto, mesmo que esteja preso, tem a oportunidade de votar”, disse Lisakhanya Nyati, 24 anos, a cumprir uma pena de três anos por roubo.

“Isso mostra que a África do Sul mudou muito nos últimos 30 anos.”

Os resultados completos não são esperados antes do fim de semana.

c/ AFP

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest