Invasão do Capitólio: “Trump decidiu não agir”, diz comité que investiga acontecimentos de 6 de Janeiro

Congressistas que investigam a invasão do Capitólio do dia 6 de Janeiro de 2021 por apoiantes do então Presidente Donald Trump afirmam que o Comandante-em-Chefe optou por não agir por mais de três horas, enquanto milhares invadiam a sede do Congresso dos Estados Unidos na tentativa de bloquear a confirmação da vitória de Joe Biden nas eleições de Novembro de 2020.

“O Presidente Trump sentou-se à sua mesa de jantar e assistiu ao ataque pela televisão enquanto a sua principal assessoria, conselheiros mais próximos e familiares imploravam que ele fizesse o que se esperava de qualquer Presidente americano”, disse a congressista Elaine Luria, membro do comité criado pelo Congresso para investigar o assalto, durante a audiência transmitida em directa pelas televisões na noite de quinta-feira, 21.

O representante republicano Adam Kinzinger, outro membro do comité, disse que Trump não agiu porque a “máfia” havia interrompido a certificação.

“A contagem (dos votos) parou completamente e acabou sendo adiada por horas. A multidão estava a cumprir o propósito do Presidente Trump, então é claro que ele não interveio”, disse Kinzinger, quem sublinhou que “o Presidente Trump não deixou de agir. … Ele escolheu não agir”.

O comité de nove membros da Câmara dos Deputados que investiga o caos divulgou uma montagem de depoimentos em vídeo de importantes assessores da Casa Branca durante a Administração Trump e ouviu testemunhos ao vivo de mais dois antigos funcionários, para apoiar sua alegação de que Trump assistiu à insurreição na televisão e não fez nada para impedi-la durante horas.

No seu discurso de abertura, Bennie Thompson, o democrata que preside o comité, disse que “por 187 minutos, a 6 de janeiro, este homem [Trump] de energia destrutiva desenfreada não pôde ser movido pelos seus aliados, não pelos gritos violentos dos desordeiros, ou pelos apelos desesperados daqueles que enfrentraram a multidão. Ele não foi movido”.

Comportamento “indefensável”, disse Cheney

“Quinze minutos depois de deixar o palco (onde fez um discurso), o Presidente Trump sabia que o Capitólio estava sitiado e sob ataque”, acrescentou Thompson.

A vice-presidente do comité, a congressista republicana Liz Cheney afirmou que Trump estava confiante de que poderia persuadir os seus apoiantes de que a eleição foi roubada, o que, segundo ela, significava que ele “explorava o patriotismo deles”.

Cheney descreveu o comportamento de Trump como “indefensável”.

Na audiência, os congressistas e a nação ouviram quinta-feira, 21, os depoimentos da então vice-secretária de imprensa Sarah Matthews e do ex-vice-assessor de segurança nacional Matthew Pottinger, que pediram a demissão no dia da insurreição em protesto contra a reacção de Trump.

“Ele estava a colocar gasolina no fogo”, diz ex-vice-secretária da imprensa

Matthews forneceu detalhes do que viu na Casa Branca naquele dia e confirmou que Trump sabia que a violência havia eclodido e que escreveu no Twitter às 14h24.: “Mike Pence não teve coragem de fazer o que deveria ter sido feito para proteger o nosso país e a nossa Constituição, dando aos Estados a oportunidade de certificar um conjunto de factos corrigidos, não os fraudulentos ou imprecisos que lhes foram solicitados. EUA exigem a verdade!”

“Ele não deveria ter feito isso”, disse Matthews, para quem o então Presidente devia pedir “a essas pessoas para irem para casa, irem embora e condenar a violência”.

“Lembro-me de nós a dizer que essa era a última coisa que precisava ser twittada naquele momento. A situação já era má. E então, parecia que ele estava a colocar gasolina no fogo ao escrever isso no Twitter”, afirmou Matthews em depoimento num vídeo.

Por seu lado, o ex-vice-assessor de segurança nacional Matthew Pottinger disse ao painel que o tweet de Trump o levou a renunciar.

“Eu li esse tweet e tomei a decisão naquele momento de renunciar”, afirmou também em depoimento em vídeo.

“Lembrem-se deste dia para sempre!”, disse Trump

Testemunhos gravados anteriormente nas audiências, incluindo da filha de Trump, Ivanka Trump, conselheira da Casa Branca, confirmaram que o Presidente ignorou os seus pedidos para pedir aos seus apoiantes que parassem a invasão.

Nesse dia, por volta das 16 horas, Donald Trump finalmente divulgou uma declaração gravada em vídeo em que pediu aos invasores para deixarem o Capitólio.

Mais tarde, noutro twitter justificou as acções dos invasores.

“Estas são as coisas e eventos que acontecem quando uma vitória eleitoral esmagadora sagrada é tão sem cerimónia e cruelmente despojada de grandes patriotas que foram mal e injustamente tratados por tanto tempo”, escreveu ele.

“Vão para casa com amor e em paz. Lembrem-se deste dia para sempre!”, concluiu.

A audiência pública do comité de ontem à noite estava anunciada como sendo a última, mas agora os seus membros dizem que podem realizar mais uma em Setembro, antes da apresentação do relatório final.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest

Deixe um comentário

Follow Us