Israel bombardeia Gaza depois de Biden ter apresentado um plano de cessar-fogo

O Primeiro-Ministro israelita, Benjamin Netanyahu, insistiu que o seu país continuaria a travar a guerra até atingir todos os seus objectivos, incluindo a destruição do Hamas.

As forças israelitas bombardearam Rafah, no sul de Gaza, no sábado, horas depois de o Presidente dos EUA, Joe Biden, ter dito que Israel estava a oferecer um novo roteiro para um cessar-fogo total.

O grupo palestiniano, entretanto, disse que “considera positivamente” o plano apresentado por Biden.

No seu primeiro grande discurso a delinear um possível fim para o conflito, o presidente dos EUA disse que a oferta de três fases de Israel começaria com uma fase de seis semanas em que as forças israelitas se retirariam de todas as áreas povoadas de Gaza.

A proposta prevê também a “libertação de um certo número de reféns, incluindo mulheres, idosos e feridos, em troca da libertação de centenas de prisioneiros palestinianos”.

Durante essas seis semanas, Israel e os palestinianos negociariam um cessar-fogo duradouro, mas a trégua continuaria enquanto as conversações estivessem em curso, disse Biden.

Ataques israelitas em Rafah
Ataques israelitas em Rafah

O líder norte-americano instou o Hamas a aceitar a oferta israelita. “Está na altura de esta guerra acabar e de começar o dia seguinte”, disse Biden, em comentários partilhados pelo ministro britânico dos Negócios Estrangeiros, David Cameron.

O Hamas, num comunicado divulgado na sexta-feira à noite, disse que “considera positivamente” o discurso de Biden sobre “um cessar-fogo permanente, a retirada das forças israelitas de Gaza, a reconstrução e a troca de prisioneiros”.

Israel insiste em objectivos de guerra

O Secretário de Estado norte-americano, Antony Blinken, telefonou aos seus homólogos da Jordânia, Arábia Saudita e Turquia na sexta-feira, 31, para pressionar o acordo.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, “espera vivamente” que os últimos desenvolvimentos “conduzam a um acordo entre as partes para uma paz duradoura”, disse o seu porta-voz Stephane Dujarric.

O Secretário-Geral da ONU, António Guterres, fala à imprensa na sede da ONU, em Nova Iorque, a 5 de abril de 2024,
O Secretário-Geral da ONU, António Guterres, fala à imprensa na sede da ONU, em Nova Iorque, a 5 de abril de 2024,

A ministra alemã dos Negócios Estrangeiros, Annalena Baerbock, disse que a oferta israelita “oferece um vislumbre de esperança e um possível caminho para sair do impasse da guerra”, enquanto a chefe da União Europeia, Ursula von der Leyen, saudou uma abordagem “equilibrada e realista” para acabar com o derramamento de sangue.

Mas Netanyahu discordou da apresentação de Biden sobre o que estava em cima da mesa, insistindo que a transição de uma fase para a seguinte no roteiro proposto era “condicional” e concebida para permitir que Israel mantivesse os seus objetivos de guerra.

O primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, aguarda o início da reunião do gabinete de guerra israelita, em que também participa o Presidente dos EUA, em Telavive, a 18 de outubro de 2023, no meio dos combates em curso entre Israel e o grupo palestiniano Hamas.
O primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, aguarda o início da reunião do gabinete de guerra israelita, em que também participa o Presidente dos EUA, em Telavive, a 18 de outubro de 2023, no meio dos combates em curso entre Israel e o grupo palestiniano Hamas.

“O primeiro-ministro autorizou a equipa de negociação a apresentar um esboço para alcançar (o regresso dos reféns), insistindo que a guerra não terminará até que todos os seus objetivos sejam alcançados”, disse o gabinete de Netanyahu.

Os mesmos incluem “o regresso de todos os nossos reféns e a eliminação das capacidades militares e governamentais do Hamas”, acrescentou.

“O esquema exato proposto por Israel, incluindo a transição condicional de fase para fase, permite a Israel manter estes princípios.”

Israel tem repetidamente prometido destruir o Hamas desde que o grupo palestiniano atacou o sul de Israel a 7 de outubro.

Bombardeamento intenso

Israel enviou tanques e tropas para Rafah no início de maio, ignorando as preocupações com a segurança dos civis palestinianos deslocados que se abrigavam na cidade situada na fronteira egípcia.

 

No sábado, primeiro de junho, os residentes relataram disparos de tanques no bairro de Tal al-Sultan, no oeste de Rafah, enquanto testemunhas no leste e no centro de Rafah descreveram intensos bombardeamentos de artilharia.

“Desde as primeiras horas da noite até esta manhã, o bombardeamento aéreo e de artilharia não parou um único momento”, disse à AFP, sob condição de anonimato, um residente do oeste de Rafah. “Há vários atiradores da ocupação (israelita) em edifícios altos que vigiam todas as zonas de Tal al-Sultan, o que torna a situação muito perigosa”, acrescentou o residente.

Houve também bombardeamentos e disparos do exército israelita na cidade de Gaza, no norte do território palestiniano, de acordo com um repórter da AFP.

Um fluxo constante de civis tem saído de Rafah, levando os seus pertences aos ombros, em carros ou em carroças puxadas por burros.

Antes do início da ofensiva em Rafah, as Nações Unidas afirmaram que cerca de 1,4 milhões de pessoas estavam abrigadas na cidade. Desde então, um milhão fugiu da zona, segundo a agência das Nações Unidas para os refugiados palestinianos, UNRWA. A tomada da passagem de Rafah por Israel atrasou ainda mais as entregas esporádicas de ajuda aos 2,4 milhões de habitantes de Gaza e fechou efetivamente o principal ponto de saída do território.

‘Tudo resumiu-se cinzas’

Israel afirmou na semana passada que o fornecimento de ajuda tinha sido intensificado.

Mas Blinken reconheceu na sexta-feira que a situação humanitária era “terrível”, apesar dos esforços dos EUA para trazer mais assistência.

O Programa Alimentar Mundial afirmou que a vida quotidiana se tornou “apocalíptica” em partes do sul de Gaza desde que Israel iniciou o seu ataque a Rafah no início de maio.

 

A guerra de Gaza foi desencadeada pelo ataque sem precedentes do Hamas ao sul de Israel, a 7 de outubro, que causou a morte de 1.189 pessoas, na sua maioria civis, de acordo com uma contagem da AFP baseada em dados oficiais israelitas.

O grupo também fez 252 reféns, 121 dos quais permanecem em Gaza, incluindo 37 que o exército diz estarem mortos.

A ofensiva de retaliação de Israel matou pelo menos 36.284 pessoas em Gaza, na sua maioria civis, segundo o Ministério da Saúde do território dirigido pelo Hamas.

No norte da Faixa de Gaza, testemunhas disseram que, depois de levar a cabo uma operação de três semanas na cidade de Jabalia e no campo de refugiados vizinho, as tropas ordenaram aos residentes da vizinha Beit Hanun que evacuassem antes de um ataque iminente.

Crianças palestinianas usam um fato de proteção para transportar os seus pertences enquanto fogem da área de Tel al-Sultan em Rafah, no sul da Faixa de Gaza.
Crianças palestinianas usam um fato de proteção para transportar os seus pertences enquanto fogem da área de Tel al-Sultan em Rafah, no sul da Faixa de Gaza.

O exército israelita declarou que as tropas “concluíram a sua missão na zona oriental de Jabalia e começaram a preparar-se para continuar as operações na Faixa de Gaza”. O comerciante de Jabalia, Belal al-Kahlot, disse que não sobrou nada da sua loja após a operação israelita. “Tudo é cinzas.”

O exército israelita anunciou a morte de dois soldados em Gaza, elevando para 294 o número de soldados israelitas mortos desde o início das operações terrestres no final de outubro.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest